IBGE mostra que a renda per capita do acreano é a 6ª mais baixa do país

A pesquisa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), divulgada na última semana, 26, revelou que a renda mensal per capita dos acreanos é a sexta pior do país. O Estado teve um rendimento nominal médio de R$ 670,00, 7,45% abaixo do valor do salário mínimo vigente no ano passado, que era de R$ 724.

Os dados são referentes ao quarto trimestre de 2014, para o país, as regiões e as 27 unidades da federação. As estimativas de rendimento nominal domiciliar per capita fazem parte da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) Contínua do IBGE.

As piores rendas registradas pelo IBGE são dos estados do Maranhão (R$ 461,00), Alagoas (R$ 604,00), Ceará (R$ 616,00), Pará (R$ 631,00), Piauí (R$ 659,00), e depois o Acre (R$ 670,00). A maior renda per capita do país é do Distrito Federal, de R$ 2.055.

A PNAD Contínua é uma pesquisa domiciliar que, a cada trimestre, levanta informações socioeconômicas em mais de 200 mil domicílios, distribuídos em cerca de 3,5 mil municípios. Todas as informações serão encaminhadas ao Tribunal de Contas da União (TCU) e servem de base para o rateio do Fundo de Participação dos Estados (FPE).

Os rendimentos domiciliares são o resultado da soma dos rendimentos, do trabalho e de outras fontes, recebidos por cada morador no mês de referência da entrevista, considerando todos os moradores do domicílio. O rendimento domiciliar per capita é a razão entre o total dos rendimentos domiciliares e o total dos moradores, para cada Unidade da Federação e para o Brasil. (Do Portal Paraíba Total, com alterações de A GAZETA)

Assuntos desta notícia