Pular para o conteúdo

Gazetinhas 04.10.2015

* São muitas emoções…

* Com a devida licença dos 37, a nossa redação está em festa.



* Neste mês de outubro, o jornal A GAZETA completa 30 anos de existência.

* E não poderia ser diferente: são muitas memórias para reviver.

* Tempos alegres, vitoriosos, divertidos…

* Outros tantos difíceis, sofridos.

* O fato é que manter uma empresa por 30 anos, fazendo jornalismo, na Amazônia, no Acre…

* É, sim, um grande motivo para comemorar.

* E, para uma equipe de jornalistas como a nossa, não tem forma melhor de fazer isso do que contando belas histórias.

* No mês que passou, nossos repórteres se engajaram em resgatar os momentos e as pessoas que marcaram os 30 anos de A GAZETA.

* Fatos e personagens que se confundem com a própria história do Acre.

* (E com a história de vida de um dos fundadores do jornal, o jornalista Silvio Martinello).

* Idealizado em 1984, por Martinello e Elson Martins, a imbatível dupla dinâmica do jornalismo acreano, o jornal A GAZETA saiu às bancas, pela primeira vez, no dia 15 de outubro de 1985.

* À época, se chamava ainda Gazeta do Acre.

* A partir daí, foi escola de profissão e de vida para a maioria dos grandes jornalistas do Estado.

* Nos depoimentos que veremos ao longo do mês, A GAZETA é sempre citada por eles como referência de responsabilidade na apuração e compromisso com a notícia.

* Premissas que norteiam a rotina do jornal até hoje.

* Da jornalista Lamlid Nobre, veio uma das definições mais precisas sobre o sentimento compartilhado pelos atuais e muitos dos ex-funcionários do jornal:

* “A GAZETA, além de uma grande empresa que bem cumpre o papel social de informar, é também uma ‘casa de família’…

* Não apenas porque é passada de pai para filhos, mas porque considera seu pessoal como valioso capital”.

* Nas palavras do mestre Elson Martins:

* “É a melhor história de um jornalismo bem intencionado para o Acre”.

* Mas, afinal, por que A GAZETA deu certo?

* Para o jornalista Silvio Martinello, o “segredo” do sucesso e da longevidade do jornal foi investir nas grandes reportagens, apostar no jornalismo investigativo…

* E, principalmente, mostrar aos acreanos a realidade que existia no Acre.

* O resultado esta aí, incontestável:

* Quase nove mil edições impressas;

* Diversas premiações nacionais e locais;

* Experiência e tradição que o bom o jornal impresso exige.

* Com o sincero respeito à concorrência, A GAZETA segue firme na liderança como o jornal mais lido e vendido do Estado.

* E você, leitor, faz a nossa história.

* Esta GAZETA…

error: Conteúdo protegido!!!