Medicamentos ficaram 12,5% mais caros nesta sexta-feira

 O reajuste de 12,5%, autorizado pelo Ministério da Saúde, ficou acima da média de inflação, que chegou a 10,36% em fevereiro. Aproximadamente 19 mil medicamentos ficaram mais caros a partir desta sexta-feira, 1º de abril. No Acre, a notícia não agradou as pessoas que compram remédios com frequência.

O farmacêutico, Rafael Oliveira, explica que o reajuste acontece anualmente. Apesar da farmácia em que trabalha ainda não ter comprado remédios com aumento, ele diz que na próxima compra os medicamentos devem ser vendidos pelas distribuidoras já com valor reajustado.

“Quando compramos dos distribuidores com aumento precisamos passar para o cliente. Ainda não sabemos quais são os medicamentos que vão sofrer aumento”, disse Oliveira.

Ainda de acordo com Oliveira, revendedores autorizados das distribuidoras de medicamentos passaram na quinta-feira, 31, alertando as farmácias do aumento e oferecendo promocionais e descontos.

Por outro lado, essa época chamada de pré-alta – semanas que antecedem o reajuste autorizado pelo governo, é comum faltar remédios nas prateleiras. “Não é o nosso caso, mas os próprios distribuidores seguram os remédios. Eles sabem que vai ter aumento, então eles seguram os remédios comprados com um preço menor para vender depois com o aumento”, relatou o farmacêutico.

A aposentada, Maria Moreira, de 69 anos, reclamou do aumento. “Desse jeito toda minha aposentadoria vai ser para comprar remédios. E eu não posso ficar sem eles, porque são remédios essenciais, como o da pressão que tenho que tomar todo dia”, lamentou.

 

Assuntos desta notícia