Projeto da Ufac aborda amamentação em maternidade

Um projeto da Universidade Federal do Acre (Ufac) tem auxiliado mamães no processo de conscientização acerca dos benefícios da amamentação. Desenvolvido desde o ano passado, o Amigos do Peito promove ações informativas sobre aleitamento materno na maternidade Bárbara Heliodora (MBH), bem como a divulgação do Banco de Leite Humano da capital.

Coordenado pela professora do curso de Nutrição, Fernanda Andrade Martins, o projeto conta com a participação de seis estudantes voluntárias dos cursos de Nutrição e Saúde Coletiva e o apoio do coordenador do Banco de Leite Humano da MBH, Hélio Pinto.

Para que as atividades fossem iniciadas, a professora Fernanda apresentou um projeto à Pró-Reitoria de Extensão e Cultura (Proex). Com a aprovação e os recursos liberados, começou o trabalho de visitas e orientações a mães e familiares nos leitos da MBH, com suporte prático e teórico através de materiais gráficos informativos.

“Nessas visitas aos leitos, são abordados assuntos referentes a prática da amamentação, duração das mamadas, prevenção e manejo das principais intercorrências durante a amamentação, como o aparecimento de fissuras, mastite e o ingurgitamento mamário”, detalha Fernanda. “As mães são abordadas com a devida atenção, de forma a preservar a recuperação no pós-parto. As acadêmicas também respondem as dúvidas que surgem. É uma atividade de aproximação da academia com a comunidade.”

Amamentação

Atualmente, a Organização Mundial de Saúde e o Unicef recomendam que os bebês devam receber aleitamento materno exclusivo até seis meses de idade, sem a inserção de nenhum outro alimento ou bebida complementar nesse período. Fonte de nutrientes essenciais e anticorpos contra doenças, aconselha-se o uso do leite materno, mesmo com a dieta de outros alimentos, até o segundo ano de vida.

Apesar de todas as vantagens já comprovadas em relação ao aleitamento materno, ainda há muita desinformação. Conhecer o tipo de mamilo, posicionamento apropriado da criança, sucção eficiente e adequada deglutição são ações que permitem uma amamentação correta e previnem possíveis lesões.

“Devido à importância da amamentação para a criança, é importante que mães e familiares recebam informações adequadas nesse período, pois, em muitos casos, a falta de informação desestimula a amamentação”, completou Fernanda.

Banco de leite

Outra atividade que integra o projeto é a coleta de leite humano. Uma vez por semana, as acadêmicas percorrem a casa das mamães cadastradas para o recolhimento do leite doado já congelado e acondicionado em frascos de vidro. O material coletado é levado ao Banco de Leite Humano, onde passa por um processo de pasteurização para, então, ser distribuído a outras crianças que não estejam recebendo leite materno da própria mãe.

No Acre, apenas a MBH tem um banco de leite humano. O apoio do projeto para captação dessas doações de leite tem ajudado a garantir que muitos bebês, impossibilitados por quaisquer motivos de mamar, ganhem condições de receber leite materno, ressalta a coordenadora do projeto, que também vê outro ganho.

“A consolidação dessa atividade de extensão tende a provocar um amadurecimento profissional das estudantes envolvidas. Vivenciando todo o processo de educação em saúde, a partir do contato com realidades concretas e da troca de saberes profissionais e populares, elas estão auxiliando no avanço do sucesso da prática da amamentação, bem como da segurança alimentar e nutricional da população infantil”, avalia Fernanda.

 

 

Assuntos desta notícia