Ossada de casal é achada em cova rasa no Segundo Distrito

Equipes da Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) acharam, na tarde desta quarta-feira (9), duas ossadas humanas no Ramal do Pica-Pau, região do Segundo Distrito de Rio Branco. Segundo as investigações, uma das vítimas é irmã da adolescente Raquel Melo de Lima, de 13 anos, achada enterrada em uma cova rasa, próximo do local, em janeiro deste ano.

“As investigações continuam. Mais um crime em nossa capital motivado pela guerra entre as facções. A motivação está devidamente identificada, as vítimas também, materialidade comprovada e indícios de autoria de alguns indivíduos, que em breve, devem estar no local onde merecem, que é na cadeia”, destacou o delegado responsável pelas investigações, Marcus Cabral.

Lidinalva de Melo Viana, de 13 anos, e o namorado José Daniel do Nascimento, de 19, foram assassinados em setembro de 2020 por membros de uma facção criminosa. Eles estavam desaparecidos desde a época do crime e a polícia fazia buscas. A motivação para o crime, segundo a polícia, seria a saída do casal da organização e ida para outro grupo criminoso.

Contudo, eles ficaram morando no mesmo bairro dos antigos comparsas e tiveram a morte decretada. Lidinalva e José Daniel foram enterrados na mesma cova, e os criminosos colocaram o corpo dela em cima do rapaz.

A DHPP informou que chegou até a cova por meio de informações e diligências. Mas, ninguém foi preso por esse crime. Até o momento, as investigações apontam que os responsáveis pela morte do casal não têm ligação com a morte de Raquel.

Casal cavou a própria cova

Ainda segundo as investigações, Lidinalva e José Daniel foram levados até o local do crime e cavaram a própria cova. Após abrirem o buraco, os dois teriam sido mortos a golpes de faca e tiros.

A cova fica próxima do local onde o corpo de Raquel foi enterrado. A DHPP informou que vão ser feitos exames cadavéricos ainda para confirmação da identidade das vítimas.

Morte e prisões

O corpo de Raquel foi achado por uma equipe do Batalhão de Operações Especiais (Bope) em uma área de invasão. A motivação para o crime seria porque os criminosos acharam no telefone da vítima mensagens e referências a outra facção. Ela foi arrastada de dentro de uma igreja para ser morta com um tiro no rosto.

Conforme a Polícia Civil, a menina foi morta dois dias antes de o corpo ser encontrado enterrado. A investigação apontou ainda que a vítima foi submetida ao “tribunal do crime” e, após várias horas de cárcere, os autores efetuaram disparos de arma de fogo e golpes de arma branca.

No mesmo dia em que o corpo da adolescente foi encontrado, a polícia prendeu em flagrante os irmãos Yago da Silva Sabino, de 20 anos, e Tyego da Silva Sabino, de 18, suspeitos de participação no crime. Essa prisão em flagrante foi convertida em preventiva pela Justiça acreana.

No dia 3 de fevereiro, outros quatro suspeitos de participação na morte da adolescente foram presos. Com o grupo, a Polícia Militar encontrou uma das armas que teriam sido usadas para matar a adolescente.

No dia 11 de março, uma mulher, de 34 anos, foi presa suspeita de participar da morte da adolescente. Na época, a Polícia Civil informou que a mulher estava foragida e foi capturada em uma rua do bairro Recanto dos Buritis, Segundo Distrito da capital acreana.

A suspeita faz parte de uma organização criminosa e já responde por diversos crimes na Vara de Organização criminosa do Tribunal de Justiça do Acre (TJ-AC).

No último dia 2 de junho, mais um foi preso suspeito de participar da morte da adolescente Raquel Melo de Lima. Com mais essa prisão, são oito pessoas detidas suspeitas de participação da morte da adolescente.

 
Assuntos desta notícia