Pular para o conteúdo
live nas redes sociais

Campanha “Racismo se combate em todo lugar” é lançada em Rio Branco

A campanha é coordenada nacionalmente pela Associação Nacional das Defensoras e Defensores Públicos (ANADEP)

Nesta segunda-feira, 12, uma live transmitida pelo instagram – @adpacre – da Associação das Defensoras e Defensores Públicos do Acre (ADPACRE) abriu as atividades da semana de lançamento da campanha “Racismo se combate em todo lugar- Defensoras e Defensores Públicos pela equidade racial”. A campanha é coordenada nacionalmente pela Associação Nacional das Defensoras e Defensores Públicos (ANADEP).

Participaram da live, a presidente da ADPACRE, a defensora Aryne Cunha, que coordena as atividades de lançamento no Acre, a presidente da Associação Nacional, a defensora Rivana Ricarte, os membros da Comissão de Igualdade Étnico-Racial da ANADEP, a defensora Cláudia Aguirre e o defensor Rafael Pinto.

Durante a live, a presidente Aryne Cunha apresentou a cartilha formulada pela ANADEP com todas as questões que envolvem racismo no nosso país. Cartilha que está disponível no site anadep.org.br.

“Quero agradecer aos colegas presentes, o apoio de todos, do nosso vice-presidente, Antônio Araújo, que estará na live “Experiências”,  na quinta- feira, 15, e o apoio da ANADEP que disponibilizou todo o material da campanha! É uma alegria muito grande poder contribuir nessa campanha que é tão importante pra que, cada vez mais, a nossa sociedade esteja ciente de que é importante haver o respeito, haver a tolerância, haver a inclusão!  Infelizmente, estamos em 2021 e racismo ainda é algo que precisa ser superado.” – declarou Aryne.

Além disso, as Defensoras e Defensores puderam compartilhar experiências que demonstraram que o racismo está em todos os lugares, como destaca o tema da campanha.

(Foto: Divulgação)

A defensora Cláudia Aguirre pontuou a sua atuação em Cruzeiro do Sul, a segunda maior cidade do Acre, no interior do Estado, onde vivem vários povos indígenas. “Ainda hoje, a gente tem relatos de indígenas que vivem situações em que direitos básicos lhe são negados. São essas situações que forçam esses povos a negarem suas origens no registro civil de nascimento. Fazem pensar: num será melhor virar logo branco? Ter nome de branco? Isso apaga a história, a existência desses povos tradicionais.” – disse a defensora.

O defensor Rafael Pinto destacou o prejuízo da propagação do discurso negacionista. “Quando se propaga a ideia , para a população brasileira e para o exterior,  que não existe racismo no nosso país, que é raro, que é besteira… não se consegue dar a visibilidade devida a essa questão racial, colocamos a questão de lado, deixamos de observar certos marcadores que estão presentes, inclusive,  na nossa atuação profissional.” – destacou.

A presidente da ANADEP, Rivana Ricarte, parabenizou a Associação acreana pela iniciativa de lançar a campanha no Estado. “Estou muito feliz. Acho que é a primeira vez que a gente tem, assim, o lançamento da campanha formal no Acre. A campanha nacional não funciona se os Estados não estiverem engajados. A ANADEP é essa reunião das associações. Então, fica mais forte com o trabalho das associações nos Estados. Parabéns, minhas palavras são de agradecimento!” – finalizou.

A programação da semana de lançamento continua nesta quinta-feira, 15, com a live “Experiências”, quando a diretora-presidente, Aryne Cunha, participa de um bate-papo com o diretor vice-presidente da ADPACRE, Antônio Araújo. A conversa será transmitida pelo instagram @adpacre, às 19h30.

Pra fechar, na sexta-feira, 16, também às 19h30, a ADPACRE lança o vídeo  “Representantividade Negra, Indígena e Amazônica” com depoimentos de lideranças de movimentos antirracistas do Acre.