Pular para o conteúdo
irrregularidades

Conselho Regional de Medicina analisa possível interdição ética da maternidade de Feijó

Entre as irregularidades constatadas na Maternidade está a falta de médicos plantonistas e especialistas, dificuldade para transferência de pacientes, ambulância quebrada, e problemas na estrutura física da unidade

(Foto: Assessoria/CRM)

Passado prazo para regularização e com graves problemas persistindo, a diretoria do Conselho Regional de Medicina do Acre estuda a possibilidade de realizar interdição ética da Maternidade do município de Feijó, no interior do Acre.

O CRM-AC fiscalizou a unidade de saúde no início do mês de junho deste ano, após receber denúncia do Sindicato dos Médicos do Acre (SINDMED-AC). Na vistoria, foram constatadas uma série de irregularidades estruturais e problemas na escala médica, o que afeta diretamente o atendimento da população daquele município.

Na época, o Conselho chegou a se reunir com vereadores da cidade, que pediram apoio para que a situação, que se arrasta há anos, fosse resolvida. Foi então que a diretoria da autarquia agendou reunião com a Secretaria Estadual de Saúde do Acre (Sesacre) e o Ministério Público, para alertar sobre o caso da unidade e buscar uma forma de acelerar a resolução dos problemas. No entanto, nenhum dos órgãos compareceu ao encontro.

Ainda na luta para garantir atendimento de qualidade à sociedade e condições mínimas de trabalho aos profissionais de saúde da Maternidade, o CRM-AC encaminhou relatório da fiscalização com as constatações à Sesacre, dando um prazo de 30 dias para que a situação fosse corrigida, o que não foi atendido.

(Foto: Assessoria/CRM)

Irregularidades

Entre as irregularidades constatadas na Maternidade, que funciona em um anexo do hospital geral de Feijó, está a falta de médicos plantonistas e especialistas, inclusive ginecologista, pediatra e anestesista; dificuldade para transferência de pacientes por não possuir médicos suficientes e por conta da ambulância que está quebrada; e problemas na estrutura física da unidade, como a falta de iluminação adequada no centro cirúrgico.

Outro problema é que a Maternidade possui aparelho de ultrassonografia, mas o exame não é feito por falta de profissional especializado. Segundo relato dos profissionais, o médico plantonista na unidade é responsável pelo atendimento de diversos setores, como de consulta ambulatorial de toda demanda espontânea, inclusive ambulatório Covid-19, urgência e emergência adulto e pediátrico; internações; visitas de pacientes internados nas enfermarias e maternidade; ala Covid-19; regulação de pacientes; transporte de paciente com o Samu em casos graves que seja necessário o acompanhamento médico.

O mesmo profissional também é responsável por auxiliar no centro cirúrgico quando necessário; fazer a internação de paciente grávida para assistência ao parto; atenção ao parto; visita médica na puérpera e RN; além de todas as intercorrências do hospital e da maternidade.

“A situação da Maternidade de Feijó está preocupante e precisa ser olhada com mais atenção por parte da Sesacre. Tem médico especialista no Estado, como ginecologista e anestesista, para atender no local, no entanto, eles pedem que a remuneração seja equiparada aos especialistas que atuam no município de Cruzeiro do Sul, o que não é atendido pela Secretaria Estadual. Enquanto essa situação se arrasta, quem sofre é a população e os profissionais, que estão trabalhando no limite”, disse a presidente do CRM-AC, Leuda Dávalos.

Leia também: Sindmed pedirá ao CRM interdição de serviços em hospital de Xapuri