Pular para o conteúdo

Cria Coragem #4: Prêmio Garibaldi Brasil de literatura / poesia falada em vídeo

 

Em setembro de 2020 meu caminho cruzou com uma casa destruída
tinha um pouco de quase tudo

Era impossível não pensar quanta vida se passou naquele espaço.
Agora quanto vazio o ocupa, tomado por plantas e loucuras

Alguma coisa me pediu pra parar
e eu parei, queria gravar aquela cena

Talvez aquele cenário fizesse muito sentido

Até morango tinha lá
sapato, balão, serpentina

e muitos cacos

Existe uma casa em mim, que também pede reforma… E nela tem também um pouco de quase tudo

As festas que acabaram
os saltos que se quebraram
e cacos… incontáveis

Mas o teto ainda é o céu e nele o recomeço, a possibilidade do infinito que invade e faz a destruição
ter algum sentido

Dias depois daquele setembro, vi que colocaram um balão colorido, um disco de vinil, mais serpentina e uns fios de telefone

Ela é uma casa em constante movimento, parece nunca ser esquecida, nunca cair na mesmice, parece ser preparada pra combinar com o caminho percorrido

Esse balão com toda potência de voo, também chegou dentro de mim

A música voltou a tocar

No caminho tinha uma casa pronta, cheia de céu
e ela continua falando comigo.