Pular para o conteúdo
vacina salva

Mais de 250 mil pessoas devem tomar segunda dose contra covid-19 no Acre e governo faz apelo à população

O Acre chegou à marca de um milhão de vacinas entregues ao Estado, mas 257 mil pessoas ainda precisam tomar a segunda dose. Somente na capital, 7,5 mil pessoas não tomaram sequer a primeira;

(Foto: Neto Lucena)

Terça-feira, 1º de setembro de 2020. Um ano e dez dias atrás, o Acre registrava 193 novos casos de infecção por Covid-19. O número de contaminados pelo coronavírus era de 24,8 mil acreanos, e famílias inteiras se apavoravam ao verem pais, tios e filhos sendo dizimados pela doença.

Nesse dia, o número de mortos chegou a 616 e as pessoas clamavam, e muito, por vacinas. Reclamavam da demora da ciência e do governo federal para fornecer o imunizante, embora uma parcela da população, como ocorre até hoje, não estivesse nem aí para as regras de distanciamento social e os demais protocolos de segurança.

Sexta-feira, 10 de setembro de 2021. Hoje, o governo do Estado está mirando as pessoas que não querem tomar a vacina, os “fujões” do imunizante.

(Foto: Odair Leal)

Desde que o vírus chegou ao Acre, com os primeiros casos em março de 2020, mais de 1,8 mil pessoas já morreram por causa da Covid-19, e o cenário pandêmico continua sendo de cautela por parte das autoridades governamentais e do Ministério Público do Estado do Acre. Uma das razões é que, somente em Rio Branco, ao menos 7,5 mil pessoas ainda não tomaram nem a primeira dose. Em Cruzeiro do Sul, a segunda maior cidade do estado, até duas semanas atrás, o número ainda era maior: mais de 10 mil, segundo a prefeitura local.

O Acre vive um momento de baixa nos óbitos, porém, ainda impossível que as pessoas relaxem. A preocupação é, sobretudo, com a variante delta, uma cepa da doença altamente transmissível e letal, que pode pegar carona na irresponsabilidade das pessoas que optaram por não tomar a segunda dose e daquelas que sequer se imunizaram ainda na primeira fase.

Um levantamento do Programa Nacional de Imunização, o PNI, da Secretaria de Estado de Saúde do Acre (Sesacre) mostra que ao menos 1.028.380 doses da vacina já foram distribuídas no estado até agora, entre os 22 municípios. É mais de 1 milhão de vacinas disponíveis em solo acreano, segundo os últimos números, desta quinta-feira, 9. Porém, 257.800 pessoas ainda devem tomar a segunda dose.

O estado tem hoje 318.500 doses disponíveis, o suficiente para cobrir a taxa vacinal das pessoas que têm de tomar a segunda dose, e de outras 60.700 que ainda não receberam a primeira. Somente nesta quinta-feira, 9, chegaram 11,7 mil imunizantes.

(Foto: Odair Leal)

“O que falta para essas pessoas entenderem que devem se imunizar?”

As repetidas mensagens do governador Gladson Cameli nas solenidades refletem essa preocupação: a de que as pessoas não estão aderindo à campanha de imunização, deixando de comparecer aos postos de saúde. Por isso mesmo, o Estado resolveu criar mutirões da vacinação, como o do último dia 7 de setembro, na Biblioteca Pública, no centro de Rio Branco, e também estará no interior do estado, ajudando as administrações municipais. (Leia o texto abaixo).

Para Cameli, a questão passa por conscientização. “O que falta para essas pessoas entenderem que devem se imunizar? Por que não exercem o direito de se vacinar num momento em que muitos países, inclusive vizinhos nossos, não têm essa oportunidade? Por que postergar a segunda dose? Esses são questionamentos que nos levam à reflexão sobre quais os motivos de não quererem exercer o direito de se vacinar, tanto pelo bem de si mesmas quanto pelo bem coletivo”, pontua o chefe do Executivo estadual.

Mas, afinal, o que leva uma pessoa a ignorar a vacina, mesmo num momento que ainda não se pode baixar a guarda para o vírus?

Explica Renata Quiles, coordenadora do PNI que “questões culturais e religiosas e dificuldades de se ausentar do trabalho para se vacinar” são as alegações mais comuns.

“As pessoas costumam se impressionar com coisas ditas negativamente. Que vacina tem algo oculto por trás, seja ligada a versículos bíblicos apocalípticos, como, por exemplo, que o imunizante tem a marca da besta-fera, seja porque se impressionam mesmo com outras mentiras e boatos que comumente chegam até elas pela internet”, afirma Renata Quiles.

Entre os trabalhadores há também os que reclamam que não podem se ausentar do trabalho, o que quase sempre é uma falsa impressão, já que há vários dias de feriados e de fins de semana em que as doses são aplicadas. “Não são todos os feriados, mas eles existem sim”, completa a coordenadora.

Felizmente, a boa notícia é que o estado teve uma redução de 65% no número de óbitos em agosto em relação a julho deste ano. Em agosto, foram 12 mortes por Covid-19 ante 34 óbitos em julho. Em relação a junho, o mês de julho já apontava também uma queda substancial de 35% nas mortes em relação a junho, quando 52 pessoas morreram pela doença no Acre.

A má notícia, e uma triste realidade, é que a maioria dos mortos pela doença se recusou a receber o imunizante em algum momento da pandemia, que ainda existe, que é real e extremamente mortífera.

(Foto: Odair Leal)

Veja onde se vacinar nos mutirões de Rio Branco e em cidades do interior

Se você ainda não se imunizou com a primeira dose ou precisa completar o esquema vacinal com a segunda, fique atento e confira o local mais próximo da sua casa. As equipes do governo do Estado do Acre estarão nas seguintes localidades:

Hoje, 10, e amanhã, dia 11
Comunidades de São Gerônimo, Foz do Paraná dos Mouras e Nova Cintra, no município de Rodrigues Alves, no Vale do Juruá;

Ainda hoje, 10, e amanhã, dia 11
Caravana de Vacinação com a Ação Humanitária Itinerante do governo do Estado, em Assis Brasil, no Vale do Alto Acre;

Dias 12 e 13
Comunidades Esperança, Três Bocas, Iracema, Formigueiro, Mororó e Veneza, em Porto Walter, no Vale do Juruá;

Dia 17
Terminal urbano, das 8h às 18 horas, em Rio Branco;

Dia 24
Cidade do Povo, das 08h às 18 horas, em Rio Branco;