Pular para o conteúdo
DOCUMENTÁRIO

Glória Perez veta completamente atores em documentário sobre a filha, Daniella Perez: ‘Jamais admitiria’

Glória Perez deu mais alguns detalhes a respeito do documentário que está sendo feito sobre sua filhaDaniella Perez, assassinada em 1992. De acordo com a escritora, diferentemente de outros projetos inspirados em crimes brasileiros famosos, como o caso Suzane Von Richthofen, o projeto não terá atores envolvidos. “Jamais permitiria“, esclareceu.

Você não pode impedir que histórias públicas sejam contadas. Então, já que alguém, em algum momento, iria fazer essa história, prefiro que façam com esta seriedade, se atendo ao que está no processo”, destacou Perez em entrevista ao podcast “Novela das 9”. “Espero que faça justiça à minha filha“, resumiu a autora de “O Clone”, novela que voltou ao ar recentemente.

Daniella Perez foi assassinada a tesouradas por Guilherme de Pádua

O caso de Daniella ganhou força porque o responsável pelo crime, o ator Guilherme de Pádua, interpretava o par romântico da atriz na novela “De Corpo e Alma”, escrita pela própria Glória. Após o crime, o autor Gilberto Braga e Leonor Bassères assumiram a narrativa, mas Perez voltou a trabalhar posteriormente, finalizando a história.

Guilherme de Pádua assassinou Daniella a tesouradas. Ele teve ajuda da então esposa, Paula Thomaz. Ambos foram condenados pela Justiça: Pádua pegou 19 anos, mas foi solto em 1999, após cumprir um terço da pena. Já Paula, então grávida de Guilherme, teve o filho na prisão. Ela também foi solta após alguns anos.

Glória Perez destaca condenação de culpados

Ainda na conversa, Glória frisou que a condenação do ex-casal não aconteceu à toa: eles eram culpados. “Essas pessoas não foram condenadas à toa. Elas foram condenadas por homicídio duplamente qualificado, porque existiram provas suficientes para isso acontecer”, esclareceu a autora, que chegou a ganhar um processo contra Pádua.

“Só que essa narrativa nunca foi feita. Essa história é para documentário”, reforçou a escritora. Glória também proibiu a reprise da novela completamente. A trama nunca voltou a ser transmitida, nem no canal “Viva”, nem no “Vale a pena ver de novo”.

Em 2017, no aniversário de 25 anos da morte de Daniella, Glória organizou uma missa em homenagem à filha. A autora costuma homenagear Daniella com frequência nas redes sociais.