Neto de Darly Alves é condenado a 50 anos de prisão por duplo latrocínio

Neto
Artur Ramoile Alves e Silva, 19 anos, neto do fazendeiro Darly Alves da Silva, foi condenado a 50 anos de prisão em regime fechado pela prática de duplo latrocínio – roubo seguido de morte. A sentença foi proferida na última terça-feira, 15, pela titular da 2ª Vara Criminal da Comarca de Rio Branco, juí-za Denise Castelo Bonfim.

Segundo denúncia oferecida pelo Ministério Público Estadual (MPE), no dia 28 de fevereiro deste ano, armado com um revólver e na companhia de dois comparsas, o acusado roubou uma motocicleta no bairro Mauri Sérgio e com um tiro na cabeça matou o proprietário Carlos Luiz da Silva.

No dia seguinte, Artur voltaria a cometer outro crime. Desta feita, a vítima foi o comerciante Raimundo Lustosa, 66 anos, morto com um tiro no pulmão após entregar a importância de R$ 100,00. Preso desde o dia 9 de março, Artur recebeu sua primeira condenação e ainda tem em aberto três processos por roubo, além de um inquérito por homicídio na Vara do Tribunal do Júri Popular de Rio Branco.

Na sentença proferida pela juíza Denise Castelo Bonfim, ele foi condenado a 25 anos de prisão por latrocínio. Em sua decisão, a magistrada destaca que a personalidade do réu é de pessoa violenta e destituída de um mínimo de solidariedade, com total desprezo à dignidade da vida humana.

“As circunstâncias do delito lhes são banais, mesquinhos e de extremo egoísmo; as conseqüências extrapenais irremediáveis, representadas pela eliminação prematura de uma vida humana, enlutando para sempre familiares e amigos […]”, diz a juíza.

 

 

Assuntos desta notícia

Join the Conversation