Grupo Mameluco encerra ano com roda de capoeira no parque

Considerada a arte marcial mais praticada no Brasil, entre as modalidades praticadas fica atrás apenas do futebol, a grande paixão brasileira. Não é à-toa que na roda que encerrou os trabalhos do grupo Mameluco, no Parque da Maternidade, encontra-se adeptos da modalidade de cinco a 65 anos, no som do berimbau, dezenas de capoeiristas demonstravam a beleza na arte trazida pelos nossos ancestrais africanos.
Responsável pela roda de capoeira, Mestre Moreno, ressaltou que o encontro entre vá-rios grupos serviu para mostrar a união da modalidade e iniciar 2010 ainda melhor. “Convidamos todos os amigos na última rodada de capoeira para fechar o ano da Associação Recreativa Cultural Mameluco Capoeira”, disse.

Moreno lembrou que a associação vem realizando um trabalho há seis anos com um grupo de aproximadamente 70 pessoas da 3ª Idade, sendo que vários deles estavam na roda de final de ano. “Agora estamos colhendo fruto deste trabalho, pois eles estão fazendo muito mais que apenas ficar em casa, cuidando de netos, estão praticando um esporte”, acrescentou.

Entre os vários presentes, a capoeirista Heloisa, 63, está no segundo ano praticando a modalidade, agora não se vê sem praticar a arte marcial. “Me sinto bem, mais disposta, mas se passar dois ou três dias sem praticar já começo a me sentir cansada, por isso quero me manter praticando”, afirma a jovial capoeirista. Mestre lembra que recentemente vários deles foram batizados, recebendo a primeira corda, enquanto outros receberam a segunda (laranja).

Outros, influenciados por capoeiristas na família, são trazidos ainda muitos jovens para as rodas de capoeira. A pequena Beatriz, entre as brincadeiras com as amigas e o braço dos familiares, entra na roda para tentar ensaiar uma meia-lua ou uma baiana ou até mesmo uma ponteira, claro que tudo acompanhada pelo tio, o contra-mestre Caboclinho. “Tanto ela quanto o irmão, o ‘Mascote’, iniciaram cedo, pois na família todos iniciam muito cedo”, afirma Caboclinho. “Eles vêem a gente em casa, cantando e dançando, tomaram gosto pela arte”, disse.

Capoeira no Acre – Representado pela Liga Acreana de Capoeira, o Estado possui 12 grupos, com aproximadamente de cinco a seis mil praticantes. “A capoeira é um dos esportes mais completos do mundo, contribuindo com a parte física, mental, além do lado cultural, onde o equilíbrio, a resistência e a força são aprimoradas”, explica o Mestre Moreno.

O nível da capoeira praticada no Acre é um dos melhores do Brasil. Mestre Moreno lembra que capoeiristas acreanos representam o nosso estilo em vários estados do país, inclusive fora, como na Austrália, Canadá, Alemanha e outros.

 

Assuntos desta notícia


Join the Conversation