Material coletado em suposto cativeiro pode não conter DNA de Fabrício

O gerente geral da Polícia Técnica da Secretaria de Segurança Pública do Acre, Jessélio Advincola Medeiros, informou ontem que ainda não sabe se é possível ou não extrair o DNA das amostras de sangue coletadas no suposto cativeiro do adolescente Fabrício Costa, 16 anos, desaparecido desde o dia 6 de março deste ano.
Medeiros
De acordo com Advincola, o material coletado pela perícia está sendo analisado aqui mesmo em Rio Branco e só será encaminhado para um laboratório de DNA fora do Estado, caso fique evidenciado ser possível extrair o DNA. Mas as expectativas são as mínimas possíveis, isso porque o local foi lavado pelos suspeitos.

Além disso, para colher as amostras, a perícia fez uso de luminol – composto utilizado para revelar as cenas ocultas de um crime. O problema é que ao entrar em contato com as substâncias químicas do luminol, as moléculas presentes no sangue humano se quebram e os átomos rearranjam-se para formar diferentes moléculas.

Outro agravante é que o Acre não dispõe de laboratório de DNA. Solicitações desse gênero são encaminhadas para laboratórios de Brasília, Manaus, Belo Horizonte e Rio Grande do Sul, onde demoram em média entre 50 a 60 dias para ficar prontos. No caso de Fabrício, o material sequer saiu de Rio Branco.

“Somente a partir da análise dos elementos oferecidos pela perícia local é que sabemos que decisão tomar em relação ao DNA”, esclarece Advincola.

Como na casa abandonada no cruzamento das ruas Éden e Santa Terezinha, bairro 6 de Agosto, os peritos também encontraram um animal morto. Existe a dúvida em relação se o sangue é ou não de um ser humano.

Falta de estrutura atrapalha elucidação de crimes
O Departamento Técnico Científico da Polícia Civil é fundamental para a elucidação de crimes, mas para que isso aconteça na prática é necessário que esteja dotado da infra-estrutura necessária.

No Acre, além da estrutura deficiente, apenas 42 peritos são responsáveis por todo Estado. Jessélio Advincola acredita que essa realidade vai mudar a partir da inauguração da nova instalação, prevista para o mês de julho de 2011.

No local, será possível realizar exame de DNA, Toxicologia Química, Fonética Forense, Exame de Balística, Documentospia, dentre outros exames. Só com a estrutura física já foram gastos mais de R$ 1 milhão.

“O governo já comprou 40% dos equipamentos necessários e está licitando o restante. Se o processo de compra ocorrer rapidamente, a inauguração pode sair até mais rápido”, disse otimista Jessélio.

Com a inauguração de um laboratório de DNA no Estado, exames que levam atualmente até 60 dias para ficarem prontos serão realizadas no máximo em uma semana.

 

Assuntos desta notícia

Join the Conversation