Adolescente faz criança de dois anos refém e ameaça degolá-la em Brasiléia

Um adolescente de 17 anos, morador do bairro Alberto Castro, município de Brasiléia, fronteira com a Bolívia, distante da Capital cerca de 240 Km, provocou na tarde de terça-feira, 3, cenas de violência e medo, ao fazer uma criança de dois anos refém e ameaçar matá-la a golpes de terçado.

Segundo informações, as seqüências de atrocidades cometidas pelo menor de idade, que tem 10 passagens pela polícia por envolvimento com o tráfico de drogas, consumo de entorpecentes, bebidas alcoólicas e agressões físicas, teve início há cerca de três anos, mas na tarde de terça-feira, o rapaz superou tudo o que já havia feito.

Por volta das 14h, a Polícia Militar de Brasiléia foi acionada para atender uma ocorrência de tentativa de homicídio.
Chegando ao local indicado, os policiais receberam informações de que um adolescente de 17 anos estaria armado de faca perseguindo outro jovem acusado de tentar furtar uma bicicleta do agressor.

Segundo o que foi apurado, o adolescente estaria em casa consumindo bebida alcoólica na companhia de três amigos, identificados pelos nomes de Leônidas, Clecimar e Juvenilton, quando um jovem de nome Cosmo teria tentado furtar a bicicleta de propriedade do adolescente. Revoltado, ele se armou com um terçado e saiu em perseguição ao suposto ladrão, que conseguiu se refugiar na casa de um policial.

Quando os PMs foram à casa do adolescente a fim de saber o que realmente havia acontecido foram surpreendidos pela ação do menor, que transtornado e sob efeito de bebida alcoólica teria se armado com um terçado, o mesmo que ele teria tentado matar o jovem que teria tentado furtar sua bicicleta, e fez uma criança de dois anos de refém ameaçando degolá-la (detalhe: ela é sua sobrinha).

A polícia foi obrigada a disparar tiros na tentativa de controlar o menor de idade
Surpreendidos pelo ato do menor de idade, imediatamente os policiais militares recuaram e iniciaram uma negociação no sentido de convencer o adolescente a não ferir a criança que ele fazia refém.

Após muito diálogo, o menor foi convencido a desistir do crime e libertou a sobrinha, mas antes de ser apreendido pelos policiais o adolescente ainda tentou contra a vida dos militares que integravam a guarnição que foi obrigada a efetuar disparos em direção ao chão na tentativa de intimidar o menor  transtornado.

Os policiais foram obrigados a usar da força para conseguir dominar o adolescente, que apesar de ser menor de idade possui porte físico de adulto e forte.

 

Assuntos desta notícia


Join the Conversation