Limites dos saques e dos pagamentos são elevados pelo Banco do Brasil

Os limites para saques e pagamentos nos terminais de auto-atendimento das agên-cias do Banco do Brasil do Acre foram alterados no último sábado (9). A medida visa socorrer os clientes durante a greve nacional dos bancários. O movimento completa 14 dias nesta terça-feira (12) e ainda não tem data para terminar.
BB-Atendimento
O limite para pagamento nos terminais de auto-atendimento saltou de R$ 2 mil para R$ 4 mil. Além disso, o limite diário de saque aumentou de R$ 1 mil para R$ 2 mil. Outra boa novidade é a implantação de limite de R$ 1 mil para saques nos correspondentes bancários. As contas personalizadas não sofreram alterações.

De acordo com o superintendente do Banco do Brasil no Acre em exercício, José Kennedy S. de Oliveira, a medida vigorará até a normalização do atendimento. Com 33% dos funcionários em greve, a instituição bancária faz um grande esforço para manter as suas 18 agências, em todo Estado, funcionando.

Com exceção de Senador Guiomard – onde a adesão da greve é de 100% -, nos demais municípios o atendimento ao público é mantido, apesar da paralisação. Com a redução no número de funcionários, o tempo de permanência nas filas também aumentou. Por isso, a superintendência orienta aos seus clientes que utilizem os serviços on-line para evitar maiores transtornos.

Kennedy reafirmou o respeito da instituição em relação à entidade sindical representativa dos funcionários, elogiando a seriedade com que o movimento vem sendo conduzido no Acre. Segundo ele, graças a essa relação mútua de respeito não foi registrado qualquer incidente desagradável em virtude da greve.

A categoria reivindica reposição salarial de 11%, melhoria na Participação nos Lucros e Resultados, valorização dos pisos salariais e elevação dos auxílios refeição e alimentação. Além da pauta principal, existem as reivindicações específicas de cada segmento financeiro.

Pauta de reivindicações do BB
As principais reivindicações dos funcionários do Banco do Brasil, aprovadas pelo 21º Congresso Nacional dos Funcionários realizado entre 28 e 30 de maio, são:

# Aumento do piso do PCS e crescimento horizontal nas comissões do PCC, com incorporação anual das gratificações de função, com revisão de comissões da gerencia média;
# Fim dos descomissionamentos com base em uma única avaliação de desempenho, transferindo-se essa alçada exclusivamente para a Gepes;
# Jornada de 6 horas para todos os cargos técnicos, sem redução de salários;
# Fim da Lateralidade e dos desvios de função, com a volta das substituições para todos os cargos;
# Indenização da Gratificação Variável para os ex-funcionários do Banco Nossa Caixa e desmembramento das verbas salariais incluídas no VCPi de todos os egressos de bancos incorporados;
# Ampliação do número de caixas em todas as agências e efetivação dos substitutos;
# Fim da trava de dois anos para processos seletivos;
# Garantia da comissão e dos benefícios para os afastados por licença-saúde, para todo o período de afastamento. Com ampliação dos VCP para 12 meses;
# Eleição de representante dos funcionários para o Conselho de Administração;
# Fim das metas abusivas, das cobranças individuais e dos rankings de produtividade; 
# Fim da terceirização do serviço bancário;
# Fim do correspondente bancário;
# Vincular a Ouvidoria interna ao Conselho de Administração, de forma a fortalecer sua posição no combate ao assédio moral dentro do banco;
# Ausência para acompanhar filho deficiente;
# Suspensão da reestruturação das agências;

Assuntos desta notícia

Join the Conversation