Centrais sindicais começam a negociar salário mínimo antes do 2º turno

Sem esperar o fim da disputa presidencial, as centrais sindicais estão avançando nas negociações em torno do reajuste do salário mínimo para 2011. Na tarde desta terça-feira (19), está prevista uma reunião dos dirigentes das centrais com o ministro do Trabalho, Carlos Luppi. Mas a discussão que vai valer mesmo ficará para depois do resultado das urnas, já com a participação do presidente eleito, da atual equipe de governo e da Comissão Mista de Planos, Orçamentos Públicos e Fiscalização (CMO).

A proposta orçamentária chegou ao Congresso em agosto sem previsão de aumento real para o salário mínimo. O projeto (PLN 59/2010) embutiu apenas a projeção de inflação desse ano com base no Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), levando o mínimo a R$ 538,15. Com isso, o governo estabeleceu a referência para definir as despesas previdenciárias e da assistência social atreladas à correção do mínimo. Uma vez estabelecido o valor definitivo do reajuste, tais despesas serão corrigidas, o que poderá ocorrer até o momento da votação do relatório final do Orçamento.

Pela regra de reajuste adotada ultimamente, teriam de ser levadas em conta a inflação do ano anterior (2010) e a variação do Produto Interno Bruto (PIB) de dois anos antes (2009) para chegar ao valor do salário mínimo de 2011. Como a variação do PIB de 2009 foi negativa, o valor do salário mínimo seria corrigido dos atuais R$ 510,00 para cerca de R$ 539,00 – aumento de 5,4%.

Na discussão do projeto da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) para 2011, em abril, o relator da matéria, senador Tião Viana (PT-AC), chegou a sugerir a inclusão do PIB de 2008, o que daria ao salário mínimo um aumento de aproximadamente 2,4% além da inflação. Nas negociações, no entanto, esse critério de cálculo foi retirado. Ao fim, ficou estabelecido que centrais sindicais, governo e Congresso negociariam posteriormente o novo valor do salário mínimo.

Compromissos de campanha

A solução adotada na LDO resultou de apelo das próprias centrais sindicais, que preferiam ficar livres para, num ano eleitoral, tentar negociar reajuste mais significativo para o salário mínimo. Pelo andar das discussões de campanha, a estratégia tem se mostrado proveitosa, com os dois candidatos à presidência demonstrando flexibilidade ao tratar do tema.

Mesmo sem se comprometer desde já com valores, a candidata do PT, Dilma Rousseff, confirmou mais de uma vez que está aberta a discutir com as centrais sindicais o valor do novo salário, caso seja eleita. Em entrevista logo após a chegada do projeto ao Congresso, ela considerou a proposta de R$ 538,15 como apenas uma “referência” utilizada pela atual equipe de governo.

– Vamos ter de sentar e fazer o mesmo processo que o governo Lula fez com as centrais. Caso seja eleita, eu farei isso, ou seja, vou discutir com as centrais uma proposta de longo prazo, pelo período do governo, de 2011 a 2014, para critério de reajuste – afirmou.

Já o candidato do PSDB, José Serra, optou por declarar o valor que pretende sugerir: R$ 600,00 já no início de seu mandato. Questionado sobre a capacidade de absorção desse valor nas contas do governo, ele disse que essa acomodação será “perfeitamente possível”, pois haveria “gordura” para ser eliminada.  (Agência Senado)

Assuntos desta notícia

Join the Conversation