Agricultores do Acre atingidos pela cheia receberão apoio da Embrapa

A Embrapa vai destinar cerca de R$ 370 mil para desenvolver ações de transferência de tecnologias em áreas rurais atingidas pela cheia do rio Acre, em fevereiro. O objetivo é implantar e revitalizar Unidades Demonstrativas com tecnologias consolidadas pela empresa em áreas de produtores e também Unidades de Observação com plantios de experimentos para desenvolvimento de cultivares adaptadas ao clima e solo da região. Ao todo serão 81 áreas em propriedades rurais de Rio Branco, Capixaba, Cruzeiro do Sul, Manoel Urbano, Porto Acre e Sena Madureira. As ações serão desenvolvidas em articulação com o Governo do Estado e com as prefeituras.
 
Nessas áreas, a Embrapa Acre, unidade da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, vinculada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) irá cultivar mais de 48 mil mudas de frutíferas, dentre elas banana e mandioca, e 2,5 toneladas de sementes de milho e leguminosas, além de aplicação de 79 toneladas de adubo e corretivos.

“Vamos disponibilizar aos produtores mudas e sementes de variedades testadas e recomendadas pela pesquisa nesses municípios atingidos e auxiliar o Governo do Estado e prefeituras na recuperação da produção agrícola. Cada unidade demonstrativa servirá como ponto de multiplicação de mudas e sementes para distribuição aos demais produtores rurais da região. Juntos vamos transformar um problema em oportunidade para que os agricultores estabeleçam seus plantios utilizando as tecnologias adequadas e, com isto, aumentem a produtividade e a renda de suas famílias, afirma o chefe geral da Embrapa Acre, Judson Valentim.
 
Os recursos provêm de emendas parlamentares aprovadas pelos deputados federais Sibá Machado (PT/AC), Henrique Afonso (PV/AC), Thaumaturgo Lima (PT/AC) e Flaviano Melo (PMDB/AC). “As culturas da banana, abacaxi e da mandioca, que estão entre as mais importantes para o estado, necessitam de fomento para sua revitalização”, aponta a chefe de Transferência de Tecnologia da Embrapa Acre, Dorila Gonzaga.

Estimativas – Com as chuvas que castigaram o Acre no mês de fevereiro, a agricultura e a pecuária do estado sofreram uma série de perdas. Entre plantios que ficaram submersos e as estradas rurais comprometidas, o que dificulta o escoamento dos produtos, a Secretaria Municipal de Florestas e Agricultura em Rio Branco estima que, somente na capital, o prejuízo chegue a mais de R$ 15 milhões, com perdas em plantios de frutíferas, mandioca, grãos, criação de peixes e gado. “A agropecuária da capital foi a mais atingida, com alagação em 1,7 mil hectares, o que acarretou prejuízos para os agricultores familiares”, ressalta o Diretor da Companhia de Abastecimento de Rio Branco (Ceasa), Paulo Braña.
 
O início dos plantios será em outubro, quando as chuvas se iniciam no Acre. Dessa forma, estima-se que entre 12 e 24 meses a produção no estado possa se aproximar daquela alcançada em 2011. Para o Secretário de Extensão Agroflorestal e Produção Familiar (Seaprof), Lourival Marques tem havido um esforço conjunto de instituições de pesquisa e de extensão rural para recuperar essas áreas que, eram bastante produtivas e  foram atingidas pelas cheias dos rios no Estado.
 
O Governo do Estado e a Prefeitura de Rio Branco estão elaborando um relatório que será encaminhado para o Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA) com o objetivo de minimizar os prejuízos na agricultura e pecuária em todo o estado.

“É necessário promover ações que possam reparar o problema com qualidade porque a agricultura é o mecanismo de sobrevivência e  de manutenção desses produtores rurais e de  suas famílias”, disse. (Assessoria Embrapa/AC)

Assuntos desta notícia

Join the Conversation