Carta enviada ao Acre some, em teste do JN para nova portaria dos Correios

Uma portaria do Ministério das Comunicações prevê que alguns tipos de correspondência têm prazo de 5 dias úteis para serem entregues. O Jornal Nacional fez um teste para ver se a meta está sendo cumprida pelos Correios.

Tudo para saber se pelo menos as cartas simples estão chegando no tempo previsto. No dia 5 de março, produtores do JN trocaram cartas entre si em todo o país. Eles foram a uma agência para mandar uma carta para Maceió.

Dentro da agência, o atendente confirmou o prazo de entrega: “chega em 5 dias”.

De Maceió, foram mandadas carta para Manaus. De Manaus, para Vitória. E assim foram 47 cartas trocadas entre várias cidades brasileiras. O resultado foi revelador: 27 entregas dentro do prazo, ou 57,4% do total. Dessas, duas chegaram em 48 horas: a que foi do Recife para Aracaju e a enviada de Manaus para Vitória. Mas 17, ou 36,2%, chegaram com atraso.

Mas a pior foram que 3 das cartas ainda nem apareceram, o que representa 6,4% da correspondência. Eram correspondências para Rio Branco, no Acre, para Corumbá, em Mato Grosso do Sul, e para Tangará da Serra, também MT.

A vice-presidente de Relacionamento com os clientes dos Correios, Glória Guimarães, disse que a empresa está cumprindo a meta de entrega.

“O que pode ter ocorrido é problema na estrada, problema de chuva. Você vê que o Acre teve enchente até o final de fevereiro. Isso teve um impacto nas nossas entregas”, explica.

A ordem veio do Ministério das Comunicações: os Correios agora têm prazo para fazer chegar a correspondência em todo o país. Uma encomenda normal, por exemplo, tem até 10 dias para ser entregue. Já as cartas simples têm que chegar ao destinatário em cinco dias. Isso deverá acontecer para um mínimo de 95 em cada 100 remessas. (G1)

Assuntos desta notícia

Join the Conversation