Trabalhadoras domésticas lançam campanha para melhores condições de trabalho

Em junho de 2011 foi aprovada a Convenção Internacional n° 189, que assegura melhores condições de trabalho aos empregados domésticos no mundo, durante a 100ª Conferência da Organização do Trabalho (OIT). A Central Única dos Trabalhadores (CUT), em parceria com a Confederação Nacional dos Trabalhadores no Comércio e Serviços (Contracs), e Federação Nacional das Trabalhadoras Domésticas (Fenatrad), está realizando uma campanha para ratificar essa convenção.

Com o tema ‘Campanha Mundial em Defesa dos Direitos e Proteção das Trabalhadoras e Trabalhadores Domésticos – Pelo Fim da Escravidão Moderna’, várias trabalhadoras da categoria se reuniram na OCA, ontem, para colher assinaturas para o abaixo-assinado.

De acordo com Jane Aparecida da Silva, presidente do Sindicato dos Trabalhadores Domésticos do Acre (Sindomestico), o objetivo da campanha é que a medida seja implementada em 12 países até o final do ano. “Essa campanha é pra ratificação da escravidão moderna. Queremos os direitos iguais aos dos outros trabalhadores. Queremos FGTS e Seguro Desemprego. Temos que colher 1 milhão e 200 mil assinaturas. Doze países estão participando. Se dois conseguirem essas assinaturas, iremos conseguir nossos direitos. Todas as pessoas podem assinar, desde que sejam maiores de 18 anos. A campanha foi lançada em Brasília e estamos dando continuidade. Quem quiser assinar pode procurar a OCA ou a sede da CUT”.

Ângela Cláudia, secretária do sindicato, destacou a importância do movimento. “Esta iniciativa é muito importante, pois é voltada para todos os trabalhadores domésticos. Se os brasileiros tiverem uma conscientização de que somos como qualquer outro trabalhador, vamos conquistar nossos direitos. A nossa categoria é muito grande (caseiros, motoristas, cozinheiros). No dia 4 as assinaturas têm de estar em São Paulo. Não é uma campanha muito fácil. Os trabalhadores se esforçam bastante em ajudar, mas nem todos os patrões enxergam isso. Poucos são reconhecidos”, contou ela.

A campanha em Rio Branco tem o apoio da Central Única dos Trabalhadores (CUT), Coordenadoria da Mulher e Sindicato dos Trabalhadores Domésticos do Acre (Sindoméstico/AC). As assinaturas serão colhidas até o próximo dia 3 de maio.

Assuntos desta notícia

Join the Conversation