Pular para o conteúdo

Família de acreanos é vítima de chacina em Rondônia

chacinag1
Homem mata mãe e dois filhos com tiros na cabeça e ainda fere amigo

 A madrugada do dia 30 de dezembro de 2013 ficará marcada para sempre para moradores do município de Guajará Mirim, interior do estado de Rondônia. Um homem de 23 anos identificado pelo nome de Tanus dos Santos executou a tiros a namorada Luciene Almeida Rodrigues, 28 anos e os dois filhos dela, o adolescente Alessandro Almeida, 16 anos e a criança de 5 anos, Renato Almeida. Os filhos de Luciene que, de acordo com informações, residiam em Rio Branco no bairro Vila Acre e que chegaram no dia 28 de dezembro a Guajara Mirim para passar as férias de fim de ano com a mãe.

O crime

 Segundo o que a Polícia Civil de Gajará Mirim conseguiu apurar, na noite de domingo (29) Luciene Almeida estava na companhia do namorado Tanus dos Santos, 23 anos, e dos dois filhos recém-chegados do Acre na Praça central de Guajará Mirim. No início da madrugada, por volta de meia noite, ela, o namorado e o filho caçula seguiram em direção à residência localizada no bairro Santa Luzia. Cerca de 20 minutos depois Luciene ligou para o filho mais velho, Elissandro, pedindo que ele retornasse para casa. Um amigo de Elissandro identificado pelo nome de Johley Freitas, 21 anos, que era proprietário de um lanche localizado na Praça foi deixar o adolescente em casa.

 Por volta das 2 horas da madrugada amigos de Jokley estranharam a demora do rapaz que teria abandonado o lanche aberto para ir deixar o amigo em casa e um casal decidiu ir até a casa de Luciene Almeida quando encontraram Jokley agonizando com um tiro na cabeça e entre a sala e o quarto os corpos de Luciene, Elissandro e Renato.

 Imediatamente a Polícia Militar daquela cidade foi acionada e compareceu ao local onde o jovem Jokley Freitas era o único sobrevivente da chacina, foi socorrido e encaminhado ao Hospital em Porto Velho, capital de Rondônia onde deu entrada em estado crítico.

Namorado acusado da chacina foge

 Após levantar informações com familiares e vizinhos das vítimas, às policias civil e militar concluíram que o autor da chacina teria sido Tanus dos Santos, o namorado de Luciene Almeida e descobriram que ele teria abandonado uma motocicleta de propriedade dele na casa e fugido em outra de propriedade de Luciene e ainda teria levado cerca de R$ 3 mil que estavam no bolso de Jokley.

 A notícia do macabro triplo assassinato e a tentativa de homicídio espalharam-se rapidamente na cidade e além das policias vários moradores montaram grupos a caça ao suspeito.

Autor de chacina e preso e afirma que falará somente em juízo

 Na manhã desta quarta-feira (01) de janeiro de 2014 policias militares conseguiram localizar e prender Tanus dos Santos no ramal do Pompeu no Distrito do Ararás, área rural do município de Nova Mamoré, onde teria abandonado a motocicleta usada para a fuga e se embrenhado na mata.

 Preso e encaminhado para a Delegacia Especial de Atendimento a Mulher – DEAM o acusado rogou o direito de permanecer calado sobre a acusação alegando que somente falará em juízo.
Segundo a delegada Márcia Maria Krause Romero Maia, o acusado somente afirmou que teria jogado a arma usada nos crimes, supostamente uma pistola 635, no matagal em local que ele não consegue lembrar, e sobre o crime optou por permanecer em silêncio alegando que somente falaria sobre o caso em juízo.

Moradores tentam invadir delegacia para linchar criminoso

 Ao saberem que o suspeito da chacina estava prestando depoimento na delegacia de Guajará-Mirim, os moradores da cidade se armaram com paus e pedras e saíram em direção ao prédio policial com a intenção de linchar Tanus dos Santos. O contingente de policias em serviço tornou-se pequeno para a grande quantidade de pessoas revoltadas querendo fazer justiça com as próprias mãos, sendo necessário acionar todos os policiais civis e militares da cidade que estavam de folga para conter a fúria popular.

 Usando armamento não letal policias civis e militares de Guajará-mirim tentavam afugentar os moradores lançando gás de efeito moral e efetuando tiros de borracha contra a multidão.

 Uma irmã de Luciene Almeida aos prantos apelou para os moradores que não fizessem “justiça” com as próprias mãos. Por segurança a polícia transferiu o suspeito para um presídio em Porto Velho.

chacinag2

chacinag3
Irmã de Luciene Almeida tenta conter a população em fúria

chacinag4
Luciene Almeida com o filho mais novo, Renato, morto na chacina