Rio Acre atinge a cota de alerta e famílias começam a ser retiradas das áreas atingidas

O mês de fevereiro começou tenso para a comunidade ribeirinha, neste sábado (1º) o Rio Acre ultrapassou a cota de alerta, chegando 13,78 metros, segundo medição feita às 12h. A cota de alerta é de 13,50 metros. Com isso, três famílias já tiveram as casas atingidas pela água, duas foram levadas para o Parque de Exposição Marechal Castelo Branco e uma foi transferida para casa de parentes. Os bairros mais atingidos são Cadeia Velha, Baixada da Habitasa, Seis de Agosto e Ayrton Senna.

No Parque, as famílias serão atendidas por equipes de saúde e assistência social. As famílias terão direito a alimentação durante todo o tempo de permanência no abrigo. De acordo com as previsões, o rio deve continuar subindo em Rio Branco, mas não chegará à cota de transbordamento, que é de 14 metros, pelo menos até o próximo dia 5.

Segundo o coordenador da Defesa Civil Estadual, Carlos Gundim, não há expectativa de vazante nos próximos três dias e a equipe está de prontidão para realizar a retirada das famílias. “Nós temos o plano de contingência montado,  pessoas de prontidão e nos próximos três dias não temos expectativa de vazantes em Rio Branco”, diz.

O coordenador afirma que as famílias que quiserem ser retiradas podem ligar no número 193 e solicitar a mudança.

“Nós montamos equipes do Corpo de Bombeiros e as viaturas da prefeitura, que são os carros e caminhões de mudança, para ficar  de prontidão. Quando as famílias quiserem fazer mudança é só ligar no número 193 e nós vamos levar o socorro para elas. A prefeitura já construiu 100 boxes”, afirma Gundim.

Dados da Defesa Civil estadual revelam que os níveis dos rios do Estado estão acima da cota de alerta, com exceção do Rio Juruá.  Também estão em situação de alerta as cidades de Brasiléia, Epitaciolândia e Xapuri. Em Sena Madureira,  o Rio Iaco superou a cota de transbordamento, chegando a 15,49 metros.


Assuntos desta notícia

Join the Conversation