Pular para o conteúdo

Rio Madeira sobe e governo acreano reforça que não faltará alimentos e gasolina no Estado

O nível do Rio Madeira em Rondônia atingiu na manhã de ontem, 24, a marca dos 18,46 metros, segundo a Defesa Civil de Porto Velho. O km 158 da BR-364, no sentido Porto Velho-Rio Branco, em Jacy-Paraná/RO, é o mais crítico dentre os cinco pontos alagados nas rodovias federais no território de Rondônia. O trecho, segundo a Polícia Rodoviária Federal (PRF), tem uma lâmina d’água de 73 a 75 centímetros. Com a enchente, mais de 1.800 famílias já foram retiradas das suas casas.

Com a BR-364, que liga Rondônia ao Acre, submersa devido à cheia do rio, a estrada foi fechada por tempo indeterminado. Dessa forma, a principal via de acesso terrestre do Estado para o restante do Brasil ficou interrompida.

De acordo com o governador Tião Viana, ainda há combustível para os próximos 30 dias, com o apoio da BR distribuidora e da Agência Nacional do Petróleo.

No último sábado, foi autorizada a passagem de algumas carretas e caminhões abastecidos de gêneros alimentícios.

Neste final de semana, Tião Viana recebeu telefonema da presidenta Dilma Rousseff declarando apoio absoluto ao Estado. O Governo Federal também enviou, por meio da FAB, uma carga com 18 toneladas de hortifrutigranjeiros. A ação deve garantir o abastecimento da cidade por uma semana, sem alterar o preço dos alimentos.

A situação também levou o Tião a manter parceria com o governador Confúcio Moura, de Rondônia. De acordo com a assessoria do governo, os dois gestores estudam a possibilidade de ser decretado estado de calamidade pública em Rondônia, levando em consideração que a cheia do Madeira se enquadra nos requisitos.

Porto Velho também sofre com a situação da cheia. O prefeito Mauro Nazif já anunciou que o Carnaval de 2014 será adiado devido à enchente. De acordo com ele, todo o efetivo necessário para dar suporte à população durante os dias de festas está comprometido. Setores Civil, Militar e Ambiental estão voltados para o resgate das famílias vítimas do alagamento.