Balsas com mais de 450 toneladas de gás chegam neste final de semana e sem reajuste de preço

Coletiva - OL 2

Para tranquilizar a população sobre a falta de gás de cozinha, o vice-governador César Messias informou que o produto começa a chegar ao Acre por balsas vindas de Manaus (AM) neste final de semana. Uma delas está trazendo 450 toneladas de gás, enquanto a outra carrega 100 toneladas para abastecer a região do Juruá.

O transporte do produto está interrompido devido a cheia do Rio Madeira que causou o fechamento da BR-364, única ligação terrestre do Acre com o restante do país.

Com o gás está chegando para abastecimento, as botijas sendo preparadas nas distribuidoras da Capital, será montada toda uma operação de segurança do descarregamento e transporte, seguindo os padrões da Petrobras. Durante o transporte, será necessário que uma área de 50 metros em torno do porto da Cadeia Velha seja isolada para garantir a segurança de todos.

“Todos os esforços estão sendo feitos para que o abastecimento ocorra tranquilamente. Já tivemos 1.311 toneladas de produtos vindos de carreta de Porto Velho. As três aeronaves da Força Aérea Brasileira que temos disponíveis já fizeram 17 voos. E existem caminhões do Exército fazendo a travessia pela rodovia. O Estado estará abastecido pelos próximos 10 dias”, reforça o vice-governador César Messias.

Além disso, com o sistema de abastecimento de gás comprometido em Porto Velho, o coordenador da Defesa Civil estadual, Carlos Gundim, esclarece que o gás será embalado em Rio Branco e abastecerá o estado vizinho.

O gás que chega no final de semana será à granel e a Fogás já pensa na possibilidade de enviar uma terceira balsa com destino a Rio Branco. A Amazongás também não deixará faltar o produto e já enviou botijas por via fluvial.

“É uma operação inédita, mas respeitando todas as medidas de segurança. Não haverá qualquer reajuste de preço do produto. Apesar dessas medidas serem bastante onerosas. Desde o dia 3 de agosto do ano passado as botijas continuam com o mesmo preço”, confirma o coronel.

Como medida estratégica, no mercado local não estão sendo vendidas as botijas de 13 kg. “Para abastecer uma botija de 13 kg, se abastece três de oito que atende a uma família média por 15 dias, é o tempo necessário para a chegada de mais balsas com o produto”, explica.

O governador Tião Viana está em Brasília participando de uma série de reuniões para tratar da problemática das cheias, passando pelo Gabinete Civil da Presidência da República, Ministério da Agricultura e Pecuária, e pelo Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), para já se adiantarem estrategicamente perante possíveis reparos de que a BR-364 precisará depois da enchente do Rio Madeira.

Do dia 24 de fevereiro ao dia 4 de março chegaram ao Acre 97 caminhões com 1.3 toneladas de alimentos, 317 mil litros de combustível e 113 toneladas de gás de cozinha. (Foto: Odair Leal/ A GAZETA)

Assuntos desta notícia


Join the Conversation