Gazetinhas 30/04/2015

* Véspera de feriadão…

* E a cidade vai desacelerando.

* 1º de maio, Dia do Trabalhador.

* E, pela primeira vez, a presidente Dilma não irá se pronunciar na TV sobre a data, como fez desde que se elegeu, em 2011.

* A assessoria da presidência informou que, por uma “decisão coletiva”, ficou acertado que Dilma irá “dialogar” com o povão pelas redes sociais.

* Mais prático.

* E, a contar que o último pronunciamento, no dia 8 de março, foi marcado por panelaços em algumas das principais capitais brasileiras…

* Menos constrangedor também.

* Mas, segundo o ministro da Comunicação Social, uma coisa não tem nada a ver com a outra.

* Hum. Então tá.

* (E eu sou o Dick Vigarista… Ririri).

* Governador Tião Viana e prefeito Marcus Alexandre participam, na manhã de hoje, da inauguração do Mercado Municipal da Cidade do Povo.

* O primeiro grande empreendimento comercial inaugurado no bairro, fruto de um investimento de R$ 3,5 milhões.

* O espaço será ocupado por feirantes, pensões, açougues e mercantis

* E é de grande importância, já que começa a movimentar a economia do local, além de atender às principais demandas dos moradores.

* A ideia da Cidade do Povo é justamente transformar o bairro numa minicidade, com toda infraestrutura básica para tal.

* Escolas, creches, delegacia, UPA, quadras esportivas e até um centro de gastronomia são contemplados no projeto.

* Com a inauguração do ‘mercadão’, o espaço ganha essa cara mais “urbanizada” e organizada de cidade.

* “O problema é que até a alagação já está chegando por lá”, grita um linguarudo que passou por aqui.

* O povo não perdoa…

* E o pior é que imagens divulgadas, ontem, mostram mesmo algumas partes do terreno alagadas, após a forte chuva da última terça-feira.

* A água seria proveniente do Igarapé Judia.

* E, com isso, voltam as denúncias de que a Cidade do Povo foi construída em terreno de várzea, em cima de parte do aquífero da Capital e, portanto, inapropriado para construção de uma “cidade sustentável”.

* O governo se defende e garante que todos os estudos de impacto ambiental foram devidamente aprovados pelos órgãos responsáveis.

* Ainda assim, é necessário que uma explicação seja dada, diante dos sinais preocupantes de uma futura “alagação”.

* O transbordamento repentino do igarapé atingiu ainda outras 100 famílias nos bairros Santa Inês e Recanto dos Buritis.

* Um dos moradores relatou que a força das águas foi tanta que ele precisou amarrar a casa de palafita numa árvore.

* Muitos perderam tudo o que tinham.

* Sai pra lá, desgraça!

Assuntos desta notícia