Advogados contrários à decisão da OAB de apoiar o impeachment realizam ato

Ato foi realizado no auditório da Aleac nesta terça. (Foto: Divulgação)
Ato foi realizado no auditório da Aleac nesta terça. (Foto: Divulgação)

Advogados, professores e juristas realizaram na manhã desta terça-feira, 29, um ato para mostrar que são contrários à decisão da Ordem dos Advogados do Brasil de apoiar o impeachment da presidente Dilma Rousseff. O ato ocorreu no auditório da Assembleia Legislativa do Acre. Participaram deputados estaduais do Partido dos Trabalhadores e o próprio presidente do partido no Acre, Ermício Sena.

A OAB protocolou na segunda-feira, 28, um novo pedido de impeachment contra a presidente. De acordo com um dos organizadores do ato, Leonardo de Abreu, a classe está indignada com a decisão da Ordem.

“Entendemos que pelo fato de cada advogado pagar a estrutura da OAB, por isso, ela não pode ser usada por sentimentos pessoais. E o posicionamento de alguns conselheiros não reflete o sentimento da classe. Tanto que já existe um movimento nacional pedindo um plebiscito, para consultar a categoria sobre a legitimidade desse apoio ao golpe”, detalhou Leonardo.

Segundo Leonardo foi feito um manifesto que já foi assinado por mais de 50 pessoas e que será protocolado na OAB/AC, nesta quarta-feira, 30.

“Em vários episódios da Lava Jato a gente viu a quebra do sigilo de advogados. A gente vê isso com muita preocupação. A gente acha que a OAB devia se posicionar contra isso”, detalhou o Leonardo.

Por meio de nota, a OAB/AC reconhece que toda manifestação de expressão é um direito constitucional e essa não é diferente. O processo de impedimento é instituto previsto na Constituição Federal e a OAB/AC se valeu de fundamentos técnicos e jurídicos para a sua decisão.

A decisão sobre ser a favor da abertura do processo de impeachment ocorreu dia 17 de março, durante a primeira sessão plenária de 2016 quando os conselheiros e advogados decidiram por ampla maioria apoiar o pedido de impedimento. A posição foi apresentada ao Conselho Federal, que fez consulta as Seccionais de todo o país.

Assuntos desta notícia