Os protocolos esperados e os mais relevantes em espaços culturais, na opinião do público

A pesquisa levantou também os protocolos esperados dos espaços culturais. Neste quesito, foram feitas duas abordagens metodológicas. A primeira com respostas espontâneas e a segunda com respostas estimuladas, na qual o entrevistado foi submetido à escolha de itens específicos de protocolo.

Na espontânea, manter distanciamento, ter espaço e evitar aglomerações é o procedimento mais mencionado pelos entrevistados (58%), ao lado de da obrigatoriedade do uso de máscara e adoção correta do equipamento de proteção aparece (55%) e disponibilização de equipamentos para higienização dos visitantes (53%).

Limpeza e higienização dos ambientes tiveram 9% das menções, seguida por orientação e conscientização do público (5%), mesmo índice obtido por disponibilização de local arejado e ventilado.

Aferição de temperatura (4%), uso de luvas (2%) e cumprir todos os protocolos recomendados pelas autoridades (2%) também receberam foram apontados pelos respondentes. Para 17%, apenas a disponibilização de uma vacina para o Covid 19 poderia gerar segurança.

Protocolo número um

No caso de resposta estimulada, a pesquisa identificou que todos os protocolos são valorizados pelo público. 34% apontaram a limpeza e higienização constante dos ambientes como protocolo mais importante a ser seguido pelas instituições.

Encontrar a arquitetura do espaço cultural remodelado (entradas e saídas adaptadas para que o público não aglomere ou se cruze; maior espaçamento dos bancos; acrílico para proteção em áreas de atendimento) é relevante para 19%. Disponibilizar horários agendados é apontado como primordial por 14%. Ter funcionários treinados para orientar o público, por sua vez, é fator crítico para 11% dos entrevistados.

Disponibilização de álcool em gel recebeu 6% das menções como protocolo número um a ser seguido pelos espaços culturais. Outros 5% apontaram a medição da temperatura dos visitantes como preocupação central. Ter horário específico para públicos preferenciais (como idosos , por exemplo), recebeu 4% das menções. (Assessoria Itaú Cultural / Conteúdo Comunicação)

Assuntos desta notícia