Pular para o conteúdo
SEBRAE

Pesquisa do Sebrae revela perfil atual do empreendedor acreano

Diretor técnico do Sebrae no Acre, Lauro Santos

A 11ª edição da pesquisa “O impacto da pandemia de coronavírus nos Pequenos Negócios”, realizada pelo Sebrae em parceria com a Fundação Getúlio Vargas (FGV), traçou o perfil do empreendedor diante das mudanças impostas pela pandemia de Covid-19. O levantamento foi realizado por meio de formulário online, no período de 27 de maio a 1 de junho de 2021.

De acordo com os resultados, metade do quantitativo total de empresas corresponde aos Microempreendedores Individuais (MEI), seguido das Microempresas (ME). Dessas, 47% estão funcionando com mudanças, por causa da crise econômica ocasionada pela pandemia, e 33% estão atuando da mesma forma que antes da crise.

O diretor técnico do Sebrae no Acre, Lauro Santos, destaca a importância de se readequar diante de novas situações. “Quando a empresa se adequa a uma nova realidade, adotando as medidas de prevenção, fazendo entregas, trabalhando com recursos digitais, ela minimiza a redução no faturamento, que aqui no Acre foi de grande impacto, mais de 60%”, disse.

Entre os dados levantados, foi revelado que 42% dos empresários acreanos possuem dívidas ou empréstimos ativos, e que conseguem manter os pagamentos em dias. Com maior parte dos empréstimos solicitados em 2020, 77% das empresas que buscaram crédito conseguiram efetivá-los. “Esse crédito foi muito importante, e aqui no Acre a gente teve um maior alcance na capilaridade do acesso ao crédito”, reforça Santos.

Cerca de 51% das empresas participantes da pesquisa afirmaram que estão presentes em redes sociais como Instagram, WhatsApp e Facebook. O diretor técnico ressalta, ainda, o trabalho do Sebrae para auxiliar empresários a driblarem os efeitos da crise, “aqueles que souberam se adequar a essa nova realidade tiveram bastante proveito, muitas tiveram aumento no faturamento, outras não, porque não souberam usar a ferramenta tecnológica como meio de driblar a crise e ampliar seus negócios”.

Mais da metade dos empreendedores atuam no setor de serviços, seguido de comércio, com 40%. Entre o total de entrevistados, 84% afirmou que a renda do negócio é a principal fonte de renda familiar, além disso, 42% consideram que a pior fase já passou, e apenas 9% se manifestaram animados com novas oportunidades.