Pular para o conteúdo
Em Feijó

“Conselheiro” de facção é o 12° preso pela morte de adolescente assassinado a mando da própria tia

Com atualização nas investigações, resta a prisão de duas pessoas que seriam responsáveis pela execução de José Evlair, de 14 anos

Homem de 20 anos estava foragido no interior de Feijó e além do crime contra o adolescente, também foi preso em flagrante por porte ilegal de arma. (Foto: Polícia Civil de Feijó)

Mais uma pessoa foi presa por participar do julgamento e assassinato de José Evlair Araújo, de 14 anos, em agosto deste ano, na cidade de Feijó. Um homem de 20 anos que seria um “conselheiro” da facção criminosa que condenou e executou o adolescente foi preso na tarde do último sábado,23, na zona rural do município.

O suspeito ainda foi preso em flagrante por porte ilegal de arma ao ser encontrado com uma espingarda e sete munições. “Fomos ao local, na zona rural, distante 14 quilômetros da cidade, bem intrafegável.  Ele estava foragido na casa da sogra, era conselheiro da facção e também foi preso por porte ilegal de arma de fogo”, relata o delegado Railson Ferreira, responsável pelo caso.

Dessa forma, 11 pessoas estão presas, incluindo a tia e madrasta da vítima, e um menor, de 17 anos, também foi apreendido suspeito por participar do crime. O corpo de José Araújo foi encontrado em uma cova rasa no Ramal do Quinôr. O jovem teria sido “julgado e condenado” por uma facção a pedido da madrasta e da tia, por ter supostamente abusado da prima de cinco anos.

José Evlair Felix de Araújo foi assassinado no dia 19 de agosto.

Atualização das investigações

O 11° suspeito por envolvimento no crime foi preso na última sexta-feira,22, sob a suspeita de ser um dos executores do adolescente, entretanto, ao decorrer das investigações, a Polícia identificou um novo panorama do crime que aponta dois homens foragidos como os responsáveis pela execução de José Evlair.

Até o momento, os presos são suspeitos por estarem envolvidos no “julgamento” e deslocamento do adolescente antes da execução. O delegado Railson explica que estas atualizações fazem parte dos processos de investigação,  pois quanto mais versões são ouvidas e mais pessoas são presas, mais compreende-se sobre o que ocorreu.

Foi o que aconteceu com o penúltimo preso. “Ele negou a execução, mas contou tudo o que eu precisava ouvir. Agora já descobrimos quem executou e essas pessoas já estavam no relatório oficial na época da morte, mas não tinha muita coisa para pedir prisão. Vamos pedindo prisão para quem tem mais elementos e provas. Então, agora está bem claro sobre quem realmente executou”, explica Ferreira.

Os mandados de prisão foram solicitados na última segunda-feira,25, e devem ser expedidos em até uma semana, entretanto, a informação que a polícia tem é da que ambos estão escondidos em regiões distantes da cidade de Feijó. Com a atualização do caso, as investigações apontam para a prisão de mais duas pessoas para capturar todos os responsáveis pelo crime, totalizando 14 envolvidos.

“O bom é que todos que prendemos estão presos até agora, então os elementos que apresentamos são fortes. Até as mulheres, uma tem sete filhos, entrou com habeas corpus, e o juiz não liberou. Então o inquérito está bem feito” reforça o delegado.

Assassinato brutal

José Evlair Araújo chegou a ser levado por mais de seis lugares antes de ser assassinado. Durante este percurso ele teria passado pelo julgamento de váris integrantes da facção, até a decisão de sua morte, no mesmo dia.

“Em todos esses trajetos, teve conversas entre o adolescente, as pessoas que estavam com ele os ‘conselheiros’ de forma virtual. Ele passou por várias e várias reuniões e foi muito violentado, até os olhos dele arrancaram”, relata o delegado Railsson Ferreira.

O laudo cadavérico ainda não foi concluído, mas também foi possível detectar cortes no pescoço da vítima, e a suspeita é de que José Evlair também foi bastante torturado na região dos órgãos sexuais. Com relação à prima, que teria sido abusada pelo adolescente, ainda não foi possível realizar o exame para constatar se houve ou não conjunção carnal.

Sobre o caso

De acordo com as investigações da polícia, a tia e a madrasta de José informaram que ele teria abusado a prima no dia 18 de agosto e logo levaram o caso para o ‘tribunal do crime’ da facção da qual fazem parte.

A morte ocorreu no dia seguinte, após várias reuniões que definiriam o que seria feito com o adolescente.

No domingo,22, por volta das 12h, o corpo foi encontrado, já em estado de decomposição, em uma vala rasa. O corpo foi levado para a perícia, na cidade de Cruzeiro do Sul.

Ainda no mesmo dia, a Polícia Civil prendeu cinco pessoas suspeitas pelo envolvimento no caso, dentre elas a tia e madrasta da vítima que confessaram a situação em depoimento. Os crimes cometidos pelos presos vão desde de organização criminosa, ocultação de cadáver, homicídio qualificado e formação de quadrilha.

Veja mais em: ‘Foi muito violentado e até os olhos dele arrancaram’, relata delegado sobre adolescente entregue pela tia e madrasta ao ‘tribunal do crime’