Pular para o conteúdo
turismo

A um mês para as festas de fim de ano, fronteira terreste entre Acre e Peru segue fechada

Em setembro deste ano, o Peru abriu as fronteiras aéreas, mas até o momento, não liberou o acesso por terra, o que dificulta o acesso de acreanos que costumam fazer o trajeto de carro

O Peru é um país multicultural, cheio de tradições, com uma laureada gastronomia e vastas reservas naturais. Possui 12 patrimônios mundiais reconhecidos pela Unesco e é dono de 84 dos 117 ecossistemas do mundo (Foto; Divulgação/Prom Peru)

A 32 dias para o Natal e 39 dias para o reveillón, a fronteira terrestre que liga o Acre ao Peru, um dos destinos turísticos prediletos dos acreanos, continua fechada e sem data para reabertura.

Assim como outros países da América Latina, o Peru fechou as fronteiras terrestres em março de 2020 na tentativa de conter a propagação do coronavírus. Somente em setembro de 2021 o país decidiu flexibilizar as medidas, permitindo a entrada de turistas do Brasil, mas apenas por via aérea, desde que comprovem a terem tomado pelo menos duas doses de vacina contra a covid-19, há pelo menos 14 dias do voo ou apresentem teste negativo para a covid-19 feito há, no máximo, 72 horas.

Em setembro deste ano, o embaixador do Peru no Brasil, Javier Yépez, participou de um encontro com instituições empresariais e governamentais, na Federação das Indústrias (Fieac). Na ocasião, ele destacou: “Confiamos que a fronteira estará aberta proximamente. Isso é interesse dos dois países, porque é comércio, é turismo e relacionamento entre os países”.

Embora o fechamento da fronteira gere impactos econômicos e turísticos para o Acre, o governo do Estado informou que as tratativas estão sendo feitas pelo Ministério das Relações Exteriores por meio das embaixadas e reafirmou que a abertura ou fechamento da fronteira é uma questão de soberania do governo federal do Peru.

Devido às inúmeras viagens ao Peru, acabou se tornando guia por uma agência de viagens da capital acreana, Rio Branco, e também presta assesssoria aos viajantes (Foto: Arquivo pessoal)

Amante declarado do país vizinho, o psicólogo Cassio Santana, de 34 anos, monitora com grande expectativa a abertura da fronteira.

“Estou numa expectativa muito grande pela abertura da fronteira do Brasil com o Peru. Desde que tomei a segunda dose da vacina contra a covid-19 e com os avanços da imunização tenho acompanhado junto ao consulado peruano sobre abertura da fronteira frequentemente. Há alguns anos, quase sempre, costumo passar o réveillon na cidade Cusco, por ser próximo da nossa capital e vou de três a quatro vezes ao ano ao país vizinho. É um lugar encantador, com diversos passeios como uma das sete maravilhas do mundo moderno (Machu Picchu) e por ser considerada uma das melhores culinárias [do mundo]”, diz ele.

Blogueira de viagens sugere alternativa

Thalita Figueiredo no Canion del Colca, em Arequipa (Foto: Arquivo pessoal)

Criadora de conteúdo digital especializada em conteúdo turístico, Thalita Figueiredo conta que, apesar da restrição terrestre, quem quiser mesmo ir para o Peru neste final de ano ainda pode buscar outras alternativas, como a entrada no país por meio do vizinho, Bolívia.

“Para o viajante acreano que quer realmente passar a virada do ano para o Peru, a nossa estratégia sem ter que ir pra São Paulo é usar nossa fronteira com a Bolívia que tanto terrestre quanto aérea seguem abertas, e quando eu falo terrestre é seguir de Rio Branco até Cobija e pegar um voo de Cobija até La Paz e um outro voo de La Paz até Cuzco ou Lima”, explica Thalita, reforçando que o custo dessa estratégia pode ser até R$ 4 mil mais barata, se comparado aos preços praticados hoje para ir de São Paulo a Cuzco.

O Peru está localizado na parte ocidental da América do Sul e faz fronteira com o Equador, a Colômbia, o Brasil, a Bolívia e o Chile (Foto; Divulgação/Prom Peru)

Leia também: Em encontro com influenciadoras de turismo, Azul confirma intenção de retomar operações no Acre em 2022