Pular para o conteúdo
NOVO CAPÍTULO

João Paulo Setti é exonerado oficialmente e Rocha desfaz mais nomeações e exonerações feitas por Gladson

Em mais um capítulo da briga política entre Rocha e Cameli, o governador em exercício do Acre faz mudanças no governo, enquanto Gladson ainda não tem data para retornar ao Acre, devido sua participação na COP 26

Foi publicada na edição desta quinta-feira, 4, a exoneração de João Paulo Setti do cargo de Procurador-Geral do Estado, conforme anunciado pelo governador em exercício do Acre, Wherlles Rocha. Enquanto o governador Gladson Cameli segue ausente do Estado, sem data confirmada de retorno, devido sua participação na 26ª edição da Conferência das Nações Unidas para Mudança Climática (COP), na Escócia, Rocha segue gerando incertezas no âmbito da gestão pública ao tornar sem efeito decretos de nomeações e exonerações feitos por Cameli.

Somente na pasta da Secretaria de Estado de Saúde (Sesacre), ele desfez quatro exonerações e nomeações feitas pelo governador Gladson Cameli. Conforme o Diário oficial, Rocha tornou sem efeito a nomeação do servidor Antonio Reaquitim Filho para exercer Cargo em Comissão e devolveu a posição para Silvana Silva de Vasconcelos, anteriormente exonerada por Gladson.

Da mesma forma, tornou sem efeito a exoneração de Leandro Aguiar de Araújo e exonerou Glayton Pinheiro Rêgo. Rocha também exonerou Allana Kayda Medeiros e tornou sem efeito a exoneração de Daniela dos Reis Mesquita, ambos cargos da Sesacre.

Com a saída de Setti, quem assumiria o cargo de Procurador-Geral do Estado seria o Procurador-Geral Adjunto, Leonardo Silva Cesário, mas ele está de férias e a função permanece sem comando, nesta quinta-feira, 4.

A exoneração de João Paulo Setti é mais um capítulo da briga política entre o vice-governador Major Rocha e o governador Gladson Cameli. Setti é tido como um dos principais homens da confiança do governador, que, segundo fontes do Palácio Rio Branco, já programa a antecipação da volta para o Acre para evitar mais desgastes políticos na administração.

“Ele não pode ficar tirando procurador dessa forma e espero que isso não seja para querer tumultuar a política do Estado”, afirmou Gladson.