Pular para o conteúdo
120 mil crianças

No Acre, vacinação de crianças contra a covid-19 deve começar na próxima semana

O primeiro lote de vacinas em doses pediátricas deve chegar nesta quinta-feira, 13, antecipando o início da vacinação que antes estava previsto apenas para fevereiro

A vacinação de crianças de 5 a 11 anos contra a covid-19 que estava prevista para começar somente em fevereiro pode começar já a partir da próxima semana no Acre. A informação foi confirmada pela coordenação estadual do Programa Nacional de Imunizações (PNI), mediante a chegada dos primeiros lotes das vacinas pediátricas para o Estado, com 7,2 mil doses, previsto para a noite desta quinta-feira, 13, antecipando assim a imunização deste público.

Além da logística necessária para distribução dos imunizantes, ainda nesta semana, a Secretaria de Estado de Saúde deve concluir a capacitação de aproximadamente 300 profissionais de saúde do Acre, visando a imunização das cerca de 120 mil crianças com idades entre 5 e 11 anos.

Apesar da grande expectativa dos pais e responsáveis, a Sesacre ainda não divulgou como será organizado o cronograma de imunização infantil, considerando que a estratégia só será confirmada após a chegada dos primeiros lotes da vacinas em doses pediátricas. Sobretudo, a expectativa inicial é de que o cronograma seja adotado por faixa etária regressiva, assim como foi no início da campanha com o público adulto, ou seja, começando com crianças de 11 anos e progredindo até os 5 anos.

Até lá, os profissionais da saúde passam por treinamento para a vacinação adequada do público infantil.

Os profisisonais da saúde estão sendo treinados para iniciar a imunização das crianças (Foto: CDC/Pexels)

Gabriel Mesquita, chefe do Departamento de Vigilância em Saúde da Sesacre, esclarece os muitos aspectos que diferem a imunização das crianças, em relação ao público adulto, razões pelas quais a capacitação se faz necessária.

“A vacinação infantil tem aspectos diferentes da população adulta, por exemplo: o armazenamento, o volume da dose da vacina muda, a concentração da vacina muda, a forma de diluir, o número de doses por frasco, a cor do rótulo, o músculo e a técnica de administração, o posicionamento da criança para vacinar, o choro, a orientação aos responsáveis legais, os mecanismos de feedback quanto a possibilidade de eventos adversos e cuidados com a criança após a vacinação.

Ainda segundo Mesquita, a vacinação é dinâmica e sofre atualizações constantes, por isso, a capacitação também é.

“A cada alteração na estratégia de vacinação do Plano de Operacionalização da vacinação contra Covid19, a cada mudança no calendário de rotina é outras campanhas é importante treinar e orientar as equipes aos procedimentos que devem ser adotados, oportunizando neste treinamento o esclarecimento de dúvidas e suposição de situações que possam ocorrer e a troca de experiências. A vacinação é dinâmica e sofre atualizações constantes.