Número de indígenas vivendo em cidades é cada vez maior no Brasil

No Brasil o fenômeno da migração indígena para cidades é relativamente recente, mas pode ser cada vez mais percebido, tanto na Região Norte, quanto em estados como São Paulo.

“A maior parte da população indígena ainda vive – e espero que continue vivendo sempre – nos seus territórios tradicionais. Mas as cidades brasileiras estão cada vez mais recebendo povos indígenas”.

A informação é do presidente da Fundação Nacional do Índio (Funai), Márcio Augusto Meira. Ele participou do Fórum Urbano Mundial, que reúne até sexta-feira (26) especialistas, representantes de povos indígenas e de governos de todos os continentes para discutir a presença de índios nas cidades no mundo.

Segundo ele, muitos indígenas procuram as cidades para estudar ou para ter acesso a alguns direitos que só as cidades oferecem.

As consequências disso, segundo constatou o painel do Fórum Urbano Mundial sobre Povos Indígenas nas Cidades, são muitas. Christophe Lalande, da Agência para Habitação das Nações Unidas (ONU-Habitat), disse que o principal desafio desses povos é o direito à moradia.

Segundo a ONU, indígenas acabam deixando suas áreas ancestrais e migram para as cidades por fatores como a invasão de suas terras, guerras ou mesmo a busca por melhores oportunidades. Mas, ao chegar nos novos territórios, encontram dificuldade para se assentar e passam a viver em favelas.

“A garantia do direito à moradia é um dos principais desafios enfrentados pelos povos indígenas que migram para as cidades, mas há também questões importantes, como a educação dos jovens e a violência enfrentada por essas pessoas, no contexto da segurança urbana”, disse Lalande.

Para a ONU, em assentamentos precários e sem segurança adequada, essas pessoas podem ficar à mercê de gangues e do tráfico de pessoas para fins sexuais. (Agência Brasil)

 

 

 

 

 

Assuntos desta notícia


Join the Conversation