Pular para o conteúdo

Caso Fabrício Augusto: “Quero dizer à família que estou acompanhando pessoalmente as investigações”

Numa entrevista que foi ao ar na noite de quinta-feira pela TV 5, o governador Binho Marques disse ao repórter Demóstenes Nascimento que confia plenamente no trabalho de investigação que vem sendo feito pela polícia, e garantiu que nenhuma das versões publicadas até o momento partiu da equipe que oficialmente acompanha o caso. Binho Marques afirmou que a discrição diante das evidências é fundamental para a elucidação completa do caso, e lamentou o fato de algumas pessoas estarem tentando tirar proveito político da situação. “Pessoas que deveriam estar contribuindo estão atrapalhando, estão mexendo em provas, colocando versões erradas do que está acontecendo e não colaborando em nada. E tem aproveitadores também, que saem em jornais anunciando isso e aquilo, prometendo coisas que não podem fazer”.

caso_fabricio_1

O governador Binho Marques destacou o secretário de Justiça e Direitos Humanos, Henrique Corinto, para fazer a mediação entre a família de Fabrício e as instituições do Estado e recomendou ao Secretário de Polícia Civil, delegado Emilson Farias, para que publicasse uma nota reafirmando o trabalho da polícia até o final das investigações. Para Binho Marques, trata-se de um caso complexo, que exige total empenho e discrição por parte da Polícia, e que a sociedade precisa ter a paciência até a completa elucidação.

Leia a nota:

O Governo do Estado e o caso Fabrício Augusto
 
Diante da multiplicidade de versões em torno do caso Fabrício Augusto, cujo desaparecimento completou 30 dias nesta sexta-feira, o Governo do Estado, através da Secretaria de Segurança Pública e da Direção Geral de Polícia Civil, vem a público manifestar que:
 
1 – O silêncio das pessoas responsáveis pelas investigações faz parte do procedimento técnico recomendado. Mesmo tendo que pedir desculpas para familiares e a sociedade, a Secretaria de Estado de Segurança reafirma que sua atuação manterá o mesmo nível de discrição até a conclusão final do caso, porque as versões desencontradas que foram trazidas ao público até o momento pouco ou nada ajudaram para a sua completa elucidação. A Polícia nunca esteve parada e não vai sossegar até que o caso esteja 100% esclarecido.
 
2 – O fato da equipe técnica da Polícia Civil não ter se manifestado de público até o momento não significa, em hipótese alguma, qualquer omissão ou ausência do caso. Muito pelo contrário, as investigações avançam a cada dia e, a exemplo dos outros casos complexos enfrentados pela nossa polícia, o caso Fabrício Augusto caminha para também ser elucidado.
 
3 – Nenhuma das versões tornadas públicas até o momento partiu da equipe que está à frente das investigações, mesmo porque nossa polícia técnica tem consciência de que o silêncio e a discrição diante de cada uma das evidências são condições indispensáveis para que se chegar à verdade dos fatos e se identificar os verdadeiros culpados.
 
4 – O governador Binho Marques lamenta profundamente e se solidariza com a dor da família do jovem Fabrício, tanto que está pessoalmente acompanhando cada passo das investigações. Por isso, o Governo conclama a sociedade e aos familiares a terem confiança no trabalho da Polícia, para que não haja conclusões precipitadas por investigações paralelas e não haja risco de que alguém possa cometer justiça com as próprias mãos.
 
5 – Para fortalecer o diálogo entre a família da vítima e as instituições do Estado, o governador Binho Marques delegou o secretário de Estado de Justiça e Direitos Humanos, Dr. Henrique Corinto, para quem a família pode se dirigir com suas dúvidas, informações, opiniões ou reclamações.
 
6 – Mesmo em estado de choque e dor com a extrema gravidade do caso, precisamos manter a paciência e a serenidade até o final das investigações, quando a Secretaria de Estado de Segurança Pública se pronunciará oficialmente para apresentar suas conclusões. (Agência de Notícias do Acre)