Encontro Internacional de Reitores no México terá representante do Acre

Melhorar o nível do Ensino Superior é uma meta bem difícil de ser alcançada. Porém, não é impossível. Para provar isso, mais de mil universidades do mundo inteiro se reunirão nos dia 31 de maio e 1º de junho, em Guadalajara (MEX), para o II Encontro Internacional de Reitores. Trata-se de uma iniciativa da rede Universia com o Grupo Santander Brasil (através do Santander Universidades), a fim de debater propostas e formar um novo documento mundial de Ensino Superior que guie a gestão de faculdades para o futuro.
Santander
 Na manhã de ontem, o Santander Universidades e o Universia reuniram a imprensa em São Paulo, para apresentar os aspectos gerais do grande debate em Gudalajara, mostrar as expectaivas de resultados (se comparado ao encontro passado, em Sevilha) e já mostrar algumas das propostas que a comitiva brasileira levará ao México.

Ao todo, são 1.169 universidades de 23 países (Brasil, China, EUA, Rússia, Reino Unido, etc) convidadas para a ocasião. Destas, cerca de 300 faculdades são brasileiras (a maior participação no evento, com 25,66% do total), incluindo a Universidade Federal do Acre. Até o momento, mais de 850 reitores já confirmaram presença.

A reunião no México terá como tema a meta “por um espaço iberoamericano do conhecimento socialmente responsável”, desenvolvido em 11 mesas de debates. Segundo Ignácio Berdugo, presidente do Comitê Organizador do 2º Encontro, o objetivo principal será aprimorar idéias que garantam mais qualidade e quatidade da atua-ção das universidades de todo planeta, fazendo com que tais planos, acima de tudo, sejam depois executados. Para isso, as propostas são desenvolvidas em debates internos e externos de cada país. No momento, a parte interna já passou. A externa continua em execução.

 “Atualmente, as universidades vivem realidades regionais bem diferentes.Contudo, temos problemas de gestão muito comuns. Por isso, é que precisamos dialogar entre nós para superarmos estes obstáculos juntos. É isso que este encontro procura fomentar, a exemplo do processo que já foi iniciado em Sevilha. Agora, temos a expectativa de superar as discussões que já tivemos neste encontro anterior”, ponderou.
 No Brasil, o diretor do Santander Universidade, Jamil Hannouche estima que mais de 1 milhão de propostas sejam levadas para Gudalajara, envolvendo educação a distância, formação de profissionais, capacitação de professores, inovações tecnologicas, temas de sustentabilidade, etc. As propostas estão sendo feitas por reitores, professores, acadêmicos, alunos, gestores e quem mais quiser participar. Para dar algumas informações sobre o evento, o Santader disponibilizou o site ideiaspar aguadalajara2010.ideas4all.com
 
 Participação brasileira
Mas qual será a partcipação nacional em Guadalajara? Segundo Ricardo Fasti, diretor-geral do Universia Brasil, o país terá um papel fundamental nas discussões do México devido a sua heterogeneidade de ensino e potencial das universidades. Para tanto, ele conta que foram necessários 8 meses de preparação das propostas. Ele foi fundamental em dois grandes encontros nacionais. O primeiro realizado em dezembro, em Belo Horizonte e o segundo em abril, em São Paulo.

“Nós fizemos estes dois grandes encontros nacionais com reitores e definimos 2 estratégias de discussão fundamental. A primeira envolve na definição do papel da universidade na qualidade do ensino médio/fundamental e a parte de pesquisa e extensão na sociedade. Isso inclui cotas, diversidade, políticas so-ciais etc. A segunda compreende a inovação e trans-ferência de conhecimentos. Portanto, eu creio que o Brasil levará uma grande proposta, que sem dúvida beneficia-rá milhares de universidades. Eu tenho certeza de que estaremos bem representados”, finalizou Fasti.  

 

Assuntos desta notícia

Join the Conversation