Pular para o conteúdo

Dependendo de uma balsa

É preciso insistir sobre a questão: esta cheia do Rio Madeira que está ameaçando o Acre de um colapso no abastecimento de combustíveis, gás de cozinha, material de construção, medicamentos e outros produtos só veio a reforçar a necessidade urgente, inadiável da construção de uma ponte sobre aquele rio.

Tudo bem que o Governo esteja preocupado com o problema e tomando providências para estabelecer rotas alternativas de abastecimento, como anunciou o governador Tião Viana. É uma atitude louvável para evitar o pior.

Contudo, o problema maior permanece, qual seja o da vulnerabilidade a que o Estado está exposto por via terrestre para prover o abastecimento desses insumos básicos e até mesmo de comprometimento de seus principais projetos de desenvolvimento. O Estado não pode mais ficar na dependência desse sistema arcaico e perverso de uma balsa. 

É preciso que os governantes, a classe política, de modo particular, a bancada federal cobre com urgência e veemência a construção dessa ponte junto aos escalões de Brasília. O que até agora não se viu dos senadores e deputados, com uma ou outra exceção.