Empresário José Adriano desabafa após seu nome ser retirado do processo da G-7

O empresário José Adriano Ribeiro da Silva publicou ontem uma nota de desabafo pelo seu nome ter sido retirado do processo que apura as denúncias apresentadas nas investigações da Polícia Federal mais conhecida como G-7. José Adriano afirma que seu nome saiu do processo após decisão de um juiz federal. O magistrado entendeu que não há provas contra Adriano no suposto esquema que a PF acusou de ser de ‘favorecimento de licitações por parte de empreiteiras’ em obras do Estado.

O empresário declarou, na nota, que a sua ‘honra e dignidade’ começaram a ser restabelecidas. Ele disse também que não guarda mágoas por ter a sua vida destruída e deseja que nenhuma pessoa precise passar por uma ‘injustiça’ como a que ele viveu.

Veja a nota na íntegra:

Nota
Esta semana reforcei ainda mais a crença de que a Justiça tarda, mas não falha. Obtive o cancelamento do meu indiciamento no processo que deu causa à operação desencadeada pela Polícia Federal, denominada G7, em maio de 2013.

Sinceramente, não guardo mágoa de ninguém, mas não poderia deixar de lembrar que passei as maiores dores da minha vida e, graças à decisão de um juiz federal, a minha honra e dignidade começam a ser reestabelecidas.


Ao passo que não tenho o sentimento de rancor ou mágoa, rogo a Deus para que nenhum pai ou mãe de família tenham que passar por situação semelhante, quando tive a minha honra, a minha privacidade e a minha liberdade destruídas, mesmo que temporariamente,  sem ter feito nada que atingisse à dignidade das instituições ou das pessoas.


Peço a Deus que a Justiça seja extensiva a todos os injustiçados, pois, ao que conta, as investigações começaram em abril de 2011 e, passados quase quatro anos, ainda não houve denúncia formalizada contra ninguém.


Aqui, reitero o meu respeito às instituições do porte do governo, das justiças Federal e Estadual, dos Ministérios Públicos Federal e Estadual e da Polícia Federal.


Vou continuar trabalhando e acreditando na Justiça do nosso Estado e do meu país, pois advogo que prefiro, mil vezes, sofrer uma injustiça do que cometê-la contra alguém.

José Adriano Ribeiro
da Silva
Empresário

Assuntos desta notícia