Pular para o conteúdo
Claudia Correia

Vencendo as decepções da vida

Olá! Tudo bem?

Como vai você?



Recentemente estive refletindo sobre as decepções que vivi, e o quanto elas foram e continuam sendo importantes ao meu crescimento bio-psicossocial e espiritual.

Eu acredito que: nada acontece por acaso.

Tudo ou todo o sofrimento acontece para nos ensinar, fazer crescer, nos transformar, restaurar, mudar, vem para nos tornar diferentes, capacitando-nos como pessoas melhores, maduras e acredito que mais humanas e sábias.

No entanto, para que toda essa evolução e crescimento venha acontecer, precisaremos perceber que ao enfrentarmos uma decepção, estaremos vivenciando um processo cuja vitória dependerá de nós, ou seja, dependerá de nossa ‘atitude’ diante da dor, sim, da ‘forma’ que enfrentaremos ou encararemos a decepção.

Mas, me diz uma coisa, tem enfrentado ou já enfrentou alguma decepção?

Está magoado (a), triste, angustiado(a), desacreditando de tudo e de todos?

Primeiro, deixe-me te dizer uma coisa: são normais  estes sentimentos, somos humanos.

No entanto, permita-me te dizer algo não tão motivador: outras decepções poderão acontecer enquanto vivermos interagindo em sociedade. Pessoas nos decepcionarão e nós, os decepcionaremos também. Estaremos sempre sujeito a este triste sentimento que tanto nos causa mal-estar, adoecendo-nos humanamente.

Pensei em três exemplos para refletirmos juntos e analisarmos também.

Meu amigo, minha amiga, já esperou muito uma promoção no trabalho? E tudo indicava pra você aquele cargo, justamente pelo seu tempo de trabalho e competência demonstrada e de repente, na hora H a tão sonhada e desejada promoção foi para uma outra pessoa, que provavelmente não tinha as mesmas qualificações. E ai, você se abate por que dói na alma, no próprio corpo, é visível em seu olhar a sua tristeza, sim, a sua decepção.

Já planejou um casamento, casa pronta, contratou buffet, comprou o mais lindo vestido, caprichou nas melhores decorações e tudo mais que abrilhantaria o seu dia tão especial, e logo nas vésperas, tudo acabou!!! A noiva ou o noivo simplesmente desistiu! Disse que não dava mais pra continuar com tudo aquilo, e bla, bla, bla…, quanta decepção!

Mas, existem muitas outras decepções Claudia, eu sei, o nosso dia a dia está cheio.  Deixe-me citar apenas mais uma, alguém me disse há alguns anos atrás: Casei-me com a pessoa que amava, com tudo que eu tinha direito. Meu casamento foi lindo…, oficializamos a nossa união como manda o figurino. E de lá pra cá, nós não nos entendemos, na verdade, mesmo antes de casar, nós sempre tivemos muitos problemas, pois eu não aceitava alguns comportamentos dele. E hoje, como meu marido, continua me decepcionando constantemente. Ele não deixou a vida de solteiro. Continua com os famosos e amados amigos de copo e farreando. Eu o espero sempre, mas ele não tem tempo pra mim, e nem para os nossos filhos, afinal, seus amigos são valiosos demais, muito mais importante que nós. Que decepção Claudia! E o pior é que eu não fui enganada, meus pais e quem o conhecia me avisaram, eu simplesmente acreditei que conseguiria mudá-lo, e aqui estou eu, sofrendo, pois sempre chega com uma novidade que contribui ainda mais para o crescimento de minhas decepções. As vezes sinto vergonha de mim, da atitude tomada por não dar ouvido a todos aqueles que me queriam e me querem bem, hoje não tenho cara para encará-los reclamando da situação, dos meus problemas, afinal, eles já haviam me advertido.

É meus queridos amigos e amigas, lamento pelas dolorosas decepções!

Mas analisando-as poderemos ter uma outra visão diante dos fatos, pois precisamos continuar vivendo e para isso, as decepções deverão ser encaradas e vencidas. Então, eu os convido a encontrar e tirar delas o aprendizado. Como assim Claudia?

No primeiro caso, onde o casamento acabou na porta da igreja, permita-me te perguntar uma coisa: A pessoa a qual você estava comprometida, jádava sinais em seus comportamentos e atitude que não estava disposto(a) a este tipo de compromisso com você? Como vocês se tratavam? Por favor, responda para você mesmo de forma sincera. Existia segurança, certeza dos sentimentos e desejo de unir-se realmente um ao outro de ambas as partes? Ou faziam de conta que não era nada demais e logo passaria? Bem, se isso aconteceu, na verdade, sinais foram dados, e admiti-los é fundamental, a decepção temida e de certa forma esperada, seria o próximo passo.

Percebe o ensinamento que pode tirar de uma decepção como esta?

Meus amigos, estejam atentos! Como diz o ditado popular “Nem tudo que reluz é ouro”. Observe se realmente existe amor de ambas as partes, isso vale para: desejos, vontades, alegrias, certeza, segurança e etc. Nunca force! Tudo precisa vir e permanecer livre. Nunca feche os olhos para a realidade, aceite-a! Olha que lição maravilhosa! Aconteceu para te ensinar, mesmo que de forma dolorosa.

E quanto a você que sonhou tanto com sua promoção! Quem disse que ela não virá? Vai acontecer! Mas faz o seguinte: não cria expectativas! Acredito que esta foi uma grande lição, a aprendizagem que você precisava nesse momento de sua vida! Quando criamos expectativa e nada acontece, corremos o risco de nos deprimir, adoecer, ficamos pra baixo, desmotivado. Olha só, o que acha de APRENDER e deixar tudo acontecer naturalmente. Sim, pra tudo existe a hora e um tempo certo, acredite! Enquanto isso, continue trabalhando com toda dedicação e paixão que sempre demonstrou.

E quanto a terceira experiência.

Pois é minha amiga, quanto capricho! Bateu com o pé no chão e casou. E como a mesma admitiu: não casou enganada.

Se pensou que seria capaz de mudar o OUTRO…, lamento informar que ninguém muda ninguém.

A decepção já era esperada consciente ou inconscientemente,  e possivelmente você já sentia isso, a intuição era forte, sua voz interior avisava o tempo todo, sem contar com as pessoas e toda torcida do seu time preferido.

Lamento de forma especial pelos filhos, eles não escolheram viver essa situação.

Desejo sinceramente que tenha aprendido a ouvir humilde e pacientemente aqueles que te querem bem, senão, correrá o risco de continuar agindo da mesma forma em outras  áreas de sua vida e consequentemente, se decepcionando.

Então, ainda há tempo de aprender, compreender, perceber, admitir, não criar expectativas com as situações que enfrentamos e com as pessoas que passam em nossas vidas.

Não desista!

Não desanime!

Enfrente as decepções, elas sempre existirão em menor e maior grau.

Evite-as quando possível.

E não espere perfeição de seres humanos tão imperfeitos quanto você.

E nunca esqueça que você é capaz de superar, sim,de vencer as decepções e as dores por ela pro-vocadas, e crescer na grandeza da complexidade humana.

Um grande abraço!

* Claudia Correia é Psicóloga
[email protected]
Facebook: Claudia Correia de Melo

error: Conteúdo protegido!!!