Pular para o conteúdo

Postos reajustam valor dos combustíveis e a alternativa para acreano é pesquisar

Rodar menos de carro e pesquisar mais. Essa tem sido a recente rotina dos acreanos. O fato de o litro da gasolina custar até R$ 3,95 tem preocupado muita gente. A variação dos valores fica em torno de dois centavos para mais ou menos, o que deixa ainda mais difícil a tarefa de pesquisar pelo melhor preço.

Pelos números, a gasolina mais cara do país está no Acre. O preço médio, segundo a Agência Nacional do Petróleo, é de R$ 3,74, porém, em Rio Branco há postos que cobram até R$ 3,99.



O Diesel também foi reajustado saindo de R$ 3,29 para 3,42 em média. O presidente do Sindepac, Delano Lima, confirmou em entrevista coletiva, antes do reajuste, que a alteração de preço no Estado deveria seguir as mesmas porcentagens nacionais (6% para gasolina e 4% para diesel).

Para saber qual combustível vale mais, o consumidor pode dividir o preço do litro do álcool pelo preço do litro da gasolina. Se o resultado da conta for maior que 0,7, vale a pena colocar gasolina. Se for menor, o melhor é abastecer com etanol.

Devido aos reajustes, Delano Lima confirma existir uma queda no setor. “Já percebemos uma queda no consumo. O motorista que antes abastecia com R$ 100 agora abastece com R$ 50. Ele também procura andar menos ou utiliza os veículos que consomem menos combustível como as motocicletas”, esclareceu.

O último aumento dos combustíveis no Acre ocorreu em janeiro deste ano, devido à elevação do PIS e da Contribuição para Financiamento da Seguridade Social (Confins) ainda nas refinarias.

De acordo com a técnica em enfermagem, Marina Souza, a estratégia agora é economizar mesmo. “Vou tentar andar o menos possível, apenas o necessário. Vou também evitar ligar o ar-condicionado no início da manhã e à noite, tudo para fechar a conta que está cada vez mais difícil”.

Segundo o mecânico Pedro Lima, no final de semana ele encheu o tanque e pagou pela gasolina o valor sem aumento. “Vou ter que me preparar para quando for abastecer novamente. Estou pensando seriamente em encostar o carro e andar mais de moto. Os custos são menores”, confessou Lima.

error: Conteúdo protegido!!!