Resex Chico Mendes, no Acre, está no topo em ranking do Imazon de APAs mais ameaçadas de desmatamento

Um levantamento feito pelo Imazon mostrou que a Resex Chico Mendes, no Acre, e a APA do Tapajós, no Pará, foram as Áreas Protegidas mais ameaçadas e pressionadas por desmatamento, respectivamente. O Pará lidera ainda o ranking das áreas de proteção mais pressionadas. O estudo analisa os alertas de destruição da floresta detectados pelo sistema de monitoramento do Instituto entre agosto e outubro deste ano. Para obter essas informações, pesquisadores cruzam os dados do Sistema de Alerta de Desmatamento para medir o nível de ameaça e pressão por desmatamento em Áreas Protegidas (APs). Do total das ocorrências de desmatamento, 54% indicam Ameaça e 46% mostram Pressão.

Em análise anterior, a Resex Chico Mendes também estava em primeiro lugar no ranking (Foto: Divulgação)

Ameaça – O estudo classifica Ameaça como a medida do risco iminente de ocorrer desmatamento no interior de uma área protegida. É utilizada uma distância de 10 km para indicar a zona de vizinhança de uma AP, onde a ocorrência de desmatamento indica ameaça. A Unidade de Conservação Federal Resex Chico Mendes também estava em primeiro lugar no ranking da análise anterior. No ranking das dez APs mais ameaçadas, seis estão em território paraense.

Pressão –  Já o termo Pressão é definido como a ocorrência do desmatamento no interior da área protegida,  que pode levar à perdas ambientais e até mesmo redução ou redefinição de limites da AP. A APA do Tapajós (PA) e a APA Triunfo do Xingu (PA) foram as APs mais Pressionadas. O Pará é o estado que apresenta maior ocorrência de APs no ranking de Pressão. Das dez mais pressionadas, cinco ficam em território paraense.

Estudo – O relatório dos índices de ameaça e pressão de desmatamento em Áreas Protegidas é divulgado trimestralmente pelo Imazon. O estudo analisa células de desmatamento produzidas com base em dados de alertas do SAD, Sistema de Monitoramento desenvolvido pelo Instituto. São utilizados apenas os indicadores de desmatamento para determinar ameaça e pressão em uma unidade de conservação, entretanto, outros fatores também oferecem risco para a área, como extração madeireira, atividades de garimpo e hidrelétricas. Para ver o relatório completo, clique aqui.

Imazon – O Imazon é um instituto nacional de pesquisa, sem fins lucrativos, composto por pesquisadores brasileiros, fundado em Belém há 30 anos. Através do sofisticado Sistema de Alerta do Desmatamento (SAD), a organização realiza, há mais de uma década, o trabalho de monitoramento e divulgação de dados sobre o desmatamento e degradação da Amazônia Legal, fornecendo mensalmente alertas independentes e transparentes para orientar mudanças de comportamento que resultem em reduções significativas da destruição das florestas em prol de um desenvolvimento sustentável. (Assessoria Imazon)

Assuntos desta notícia