Dindim comenta vitória nas eleições de Feijó

feijo

As eleições extemporâneas de Feijó deixaram marcas tanto para vitoriosos quanto para derrotados. Ontem, ainda comemorando a sua vitória com 55% dos votos válidos, o novo prefeito de Feijó, Dindim Pinheiro (PSDB) desabafava pelos ataques que sofreu do grupo político adversário: “Eles me chamaram de louco o tempo todo. Mas eu quero dizer que sou louco sim, mas para trabalhar pelo povo da minha cidade”, retrucou.

Raimundo Ferreira Pinheiro se tornou Dindim porque o seu irmão menor não conseguia falar corretamente o diminutivo do seu nome, Raimundinho. O apelido dado pelo caçula não só pegou como se tornou a marca política que o elegeu por três vezes vereador do município. Numa delas, Dindim, foi o presidente da Câmara de Vereadores de Feijó.

“Tive a honra de assumir a prefeitura da cidade por sete dias, em 2005. Nesse período realizei a operação tapa-buraco e fechei milhares de buracos das ruas. Deixei a cidade limpa e ainda consegui arrumar emprego para 40 pais de famílias”, afirmou.  

Apesar das trocas de acusação nos palanques, Dindim, promete procurar o Governo do Estado e a bancada federal do Acre, de maioria governista, para abrir diálogo. “Vou entrar em contato com todo mundo que possa ajudar o município. Terei humildade para procurá-los. Mas quero deixar claro também que só posso me responsabilizar pelos postos de saúde e as atribuições que me são competentes. Inclusive, quero colocar remédios que estão faltando nos postos de saúde e construir novas unidades onde precisar. Mas essa relação com o governo é que nem sintonia de TV se a imagem da Globo não tiver boa a gente sintoniza na Bandeirantes”, ironizou.    

Para Dindim a sua vitória foi uma resposta dada nas urnas às perseguições dos petistas. “Nós conseguimos vencer o poder econômico e político de Feijó. Foi uma eleição muito difícil pelos ataques que aconteceram. Mas agora só quero pensar na minha administração. Vou priorizar a educação e a saúde do município. Quero tocar novas obras, gerar empregos e, sobretudo, ajudar a população carente com a construção de creches. Foram eles que me elegeram”, finalizou.

Vitória em Feijó pode unir a oposição em 2010
A tese do deputado federal, Flaviano Melo (PMDB), e do ex-deputado, Márcio Bittar (PSDB), das oposições unidas em torno de um único candidato ao governo saiu fortalecida com o resultado das eleições de Feijó. No palanque do Dindim velhos caciques do antigo MDA se encontraram com os novos oposicionistas como o deputado federal, Sérgio Petecão (PMN-AC), num resultado excepcional para a oposição que passa a governar duas das mais importantes prefeituras do Estado, Cruzeiro do Sul e Feijó.     

O pré-candidato ao governo, Tião Bocalom (PSDB), defende ainda a tese de duas candidaturas majoritárias. “A união das posições sempre existiu, mas acho que cada grupo deveria apresentar o seu candidato no primeiro turno para se unir no segundo. Também penso que a definição de uma ou duas candidaturas ao governo deva ser decidida mais para frente. A princípio, não pretendo retirar a minha candidatura ao governo, mas se toda oposição decidir assim vou acompanhar a maioria”, salientou.

O resultado
Com 100% das urnas apuradas:
Dindim (PSDB) – 5.788 votos válidos– 55%
Jaciara (PT) – 4.820 votos válidos – 45%
A abstenção do colégio eleitoral de Feijó que tem 16.044 foi de 29% com 11.303 votantes.

 

Assuntos desta notícia


Join the Conversation