É grave

Dengue não é uma doença qualquer, um mal-estar. Quando assume proporções de surto e epidemia é uma doença grave. Nos casos do tipo hemorrágica, mata.

A impressão que se tem é a de que nem as autoridades de Saúde nem a sociedade ainda se deram conta sobre a gravidade desta doença que voltou a atacar a Capital do Estado e algumas cidades do interior, próximas à fronteira.

Ontem mesmo, este jornal mostrou a situação do Conjunto Universitário, onde em todas as casas visitadas pela reportagem, próximas a uma antiga lagoa de decantação, havia duas, três pessoas infectadas pela doença.

Pelo poder de propagação do mosquito, o clima propício e, sobretudo, a falta de medidas de prevenção, não é preciso ser médico ou especialista para presumir que a cidade corre o sério risco de passar novamente por um surto ou uma epidemia, como ocorreu no ano passado.

É verdade que se vem fazendo uma campanha massiva nos meios de comunicação sobre as medidas de prevenção. Contudo, não basta. É preciso que os órgãos de Saúde, de limpeza pública, junto com a população, combatam esses focos ou criadouros do mosquito que estão aparecendo em todos os recantos da cidade. Ou se faz isso com determinação ou logo mais os hospitais estarão superlotados.     

 

 

Assuntos desta notícia

Join the Conversation