Regularização Ambiental dos Loteamentos avança no Acre

Foi aprovada durante a plenária do Conselho Estadual de Meio Ambiente, Ciência e Tecnologia – CEMACT, a resolução que estabelece os procedimentos para regularização ambiental dos loteamentos implantados no Acre.
Ambiental
A resolução define também os critérios para o licenciamento dos empreendimentos que pretendem ser instalados a partir de agora.

O pedido de criação destes procedimentos para o licenciamento dos parcelamentos de terras, conhecidos como loteamentos, partiu do Instituto de Meio Ambiente do Acre, em sintonia com as resoluções do Conselho Nacional de Meio Ambiente, com o Estatuto das Cidades e um termo de cooperação com o Ministério Público Estadual.

Apenas em Rio Branco existem quase 200 loteamentos em condições irregulares, de acordo com cadastramento realizado pela prefeitura. Em geral, é constatada a falta de condições básicas de habitação, como saneamento e arruamento.

Agressões ao meio ambiente também ocorrem, como aterramento de nascentes e igarapés, que são bastante observados.

De acordo com a presidente do IMAC, Cleísa Cartaxo, “o pedido premente para ratificação dos critérios de licenciamento aponta para o crescimento urbano sustentável e para minimização dos impactos ambientais”.

Com a aprovação unânime da resolução, os conselheiros criaram, além dos procedimentos para novos empreendimentos, a chance para regularização dos empreendimentos já implantados através de uma nova categoria de licença, a Licença de Regularização de Operação.

“O importante é que os empreendedores agora têm um prazo de dois anos para se regularizar. Se perderem esse prazo eles terão que se responsabilizar pelas irregularidades dos empreendimentos”, ressaltou o presidente do Conselho e secretário de Estado de Meio Ambiente, Eufran Amaral.

“Apesar de ser uma atividade de impacto local, portanto de responsabilidade das prefeituras, o IMAC reconhece a falta de estrutura dos municípios para montar uma estrutura capaz de promover o licenciamento dos parcelamentos de terras e está assumindo esta responsabilidade”, completou Cleísa Cartaxo.

Os empreendedores, tanto os que pretendem implantar novos loteamentos quanto aqueles responsáveis pelos já existentes, devem procurar o atendimento do IMAC para tomar conhecimento dos procedimentos de licenciamento e dar entrada na documentação necessária.

O CEMACT
É a instância maior do Sistema Estadual de Meio Ambiente, Ciência e Tecnologia-SISMACT. Participam do Conselho as Secretarias de Estado de Planejamento, de Desenvolvimento Agrário, Indústria e Comércio, Educação e Cultura, o IMAC, a Fundação de Tecnologia do Acre, Ministério Público Estadual, representantes dos municípios do estado, UFAC, IBAMA, EMBRAPA, FUNAI, Federações das Indústrias, de Agricultura, do Comércio, e representantes de entidades civis organizadas que tenham envolvimento com as áreas de meio ambiente e tecnologia.

Dentre as suas várias competências, destaca-se aquela que estabelece “Formular, aprovar, supervisionar e avaliar políticas nas áreas de Ciência, Tecnologia e Meio Ambiente, estabelecendo as diretrizes, normas e medidas necessárias ao desenvolvimento sustentável do Estado”.

O CEMACT conta também com as suas câmaras técnicas, formadas por técnicos, consultores e estudiosos sobre os diversos temas debatidos pelo Conselho.

 A segunda reunião ordinária deste ano aconteceu pela primeira vez na sala plenária definitiva do conselho, que fica na Secretaria de Estado de Meio Ambiente. (Agência Acre)

Assuntos desta notícia


Join the Conversation