Plano de combate às queimadas é lançado e tem foco na fiscalização

Estratégico, tático e possível de ser operacionalizado. Assim foi definido o Plano Integrado de Prevenção, Controle e Combate às Queimadas e Incêndios Florestais pela diretora de planejamento da Secretaria de Meio Ambiente do Acre, Vera Reis, durante a apresentação do trabalho que mobilizou mais de 30 instituições na elaboração de seu conteúdo. O documento foi entregue simbolicamente ao governador Tião Viana na manhã de ontem e contém ações conjuntas a serem desenvolvidas durante o período de estiagem quando ocorre o maior número de sinistros. As medidas preventivas incluem a participação social na difusão de informações sobre os prejuízos causados pelas queimadas e a conscientização sobre as alternativas ao uso do fogo.
Plano-queimadas
Criada há três anos por meio de decreto assinado pelo governador Binho Marques, a Comissão Estadual de Gestão de Riscos mantém uma sala de situação coordenada pela Defesa Civil. O local concentra, até o fim do período considerado mais crítico, as informações referentes a seca, nível dos rios do Estado, número de focos de calor e áreas de risco de incêndios florestais. Defesa Civil e Corpo de Bombeiros são os responsáveis pelo combate ao incêndio. As brigadas de incêndio comunitárias também deverão ser reativadas.

Em 2006 foram criadas 400 brigadas treinadas pelo Exército para fiscalizar e agir dentro de suas comunidades no combate a focos de incêndio. Elas receberam abafadores e bombas costais que, segundo o presidente do Imac, Fernando Lima, acabaram sendo usadas para outros fins. “Elas serão retomadas. Se a sociedade não estiver inserida neste trabalho será difícil alcançar nosso objetivo”. Programas que propõe alternativas ao uso do fogo são desenvolvidos para reduzir os índices de queimadas, entre eles a mecanização agrícola, o uso da mucuna nos roçados, manejo de pastagens e comunitário.

O governador Tião Viana considera o plano uma lição de maturidade das instituições ao unirem forças para reduzir os danos ambientais causados pelas queimadas e incêndios florestais e reforçou a importância da participação popular no combate às queimadas urbanas e rurais. Com foco na fiscalização, o plano ganha reforço com a compra de 14 veí-culos para o Corpo de Bombeiros que serão usados para o combate a incêndios florestais. “A parceria da Ufac está sendo fundamental neste processo que nos abastece com dados sobre a umidade relativa do ar e áreas mais secas com riscos de incêndios”, diz Fernando Lima. Denúncias de queimadas urbanas e rurais podem ser feitas para o Imac pelo número: 9985-7660.

Assuntos desta notícia


Join the Conversation