Pais, fiquem de olho

Neste final de semana mais uma criança de 11 anos morreu afogada no açude de uma destes banhos entre Rio Branco e Quinari. Um garoto de apenas 11 anos. Uma tragédia!

Mas todas as tragédias não acontecem do nada. Elas ensinam uma lição. São frutos de causas e consequências. E analisar estes fatores é fundamental para evitar que elas aconteçam de novo.

Casos de crianças mortas afogadas não são nenhuma novidade. De tempos em tempos algo assim aparece nos noticiários. E expressa à importância dos pais cuidarem melhor de seus filhos. Vigiá-los melhor.

É só pensar um pouco. Nestes balneários locais tem: açudes bem fundos; um monte de ‘mininus’ correndo e pulando pra lá e pra cá; no máximo um funcionário do lugar cuidando para evitar acidentes; e muita gente bêbada.
Junta tudo isso e o resultado não poderia ser diferente.

Em um lugar assim criança tem que andar grudada com os pais. E não é por chatice, não. É por zelo.  Um bom pai sabe que a segurança do filho está acima de tudo. Um deslize pode ser fatal, como mostra bem estes casos iguais ao deste domingo.

Assuntos desta notícia