Pular para o conteúdo
Operação Garoa

Polícia Civil prende 49 pessoas no Acre e mais três estados por organização criminosa, tráfico de drogas e homicídios

Mandados foram cumpridos em cinco cidades acreanadas, além dos Estados de Paraná, Rondonia e Tocantins

Após 15 meses de investigações, a Polícia Civil realizou a segunda fase da “Operação Garoa”, que cumpriu 95 mandados durante a investigação. As ações foram realizadas nos municípios de Rio Branco, Senador Guiomard, Xapuri, Epitaciolândia e Tarauacá, além dos Estados de Paraná, Rondonia e Tocantins que culminaram na prisão de 49 pessoas ligadas a crimes de organização criminosa, tráfico de drogas, homicídios e outros crimes.

De acordo com a Polícia Civil, a primeira fase ocorreu eu 24 de julho de 2020, quando um dos supostos chefes de uma organização criminosa foi preso na zona sul de São Paulo/SP.  Já a segunda fase ocorreu nas primeiras horas desta quarta-feira, 27, quando foram cumpridos 84 mandados de prisão e 11 mandados de busca e apreensão.

As pessoas investigadas exerciam funções essenciais à existência da organização, cuidando da logística das ações criminosas, bem como da parte financeira da organização criminosa, financiada pelo tráfico de drogas.

Todos os presos de Rio Branco foram conduzidos à Delegacia da Segunda Regional para procedimentos cartorário e em seguida colocados à disposição da justiça. Ao todo, foram presas 49 pessoas nos municípios de Rio Branco, Epitaciolândia, Tarauacá, Sena Madureira, Xapuri e Manoel Urbano, e nos estados já citados.

O nome da operação faz referência à cidade de São Pulo, onde os líderes da organização acreana se refugiaram, para à distância coordenar ações da organização no Acre e em outros estados da federação. Em duas oportunidades, a Polícia Civil acreana, com apoio da Polícia Civil de São Paulo prendeu os líderes desta organização no Estado de São Paulo.

Em coletiva de imprensa, a Polícia Civil destacou a atuação de 150 policiais civis e seis delegados para cumprimento das ordens judiciais e ressaltou ainda a importância do apoio das polícias civis dos Estados de Paraná, Rondônia e Tocantins na segunda fase da Operação Garoa.