Chega no domingo a Cruzeiro do Sul vôo com frutas e verduras importadas do Peru

O primeiro vôo que trará para o Juruá 450 toneladas de frutas e verduras importadas do Peru chegará no domingo a Cruzeiro do Sul. A previsão anterior era de seis vôos com cinco toneladas cada um. Mas, agora, ficou decidido que um único avião com uma capacidade muito maior levará as mercadorias para o Juruá. Na prática isso significa um aumento de 15 toneladas a mais de hortifrutigranjeiros. O avião da empresa Beta de Manaus irá carregado de produtos como abacate, alho, batata, beterraba, cenoura, maçã, repolho, tomate, uva, melão, entre outros, vindo de Pucallpa. A um preço muito mais barato para os consumidores do Juruá. A importação está sendo feita por sete empresários, seis de Cruzeiro do Sul e um de Tarauacá.

A partir de janeiro haverá um vôo todas às sextas-feiras tornando permanente a oferta de produtos peruanos nos mercados da cidade. Isto significa que a partir de agora, durante o inverno, os produtos terão preços próximos aos do verão. O presidente da Associação Comercial do Juruá, Marcos Vinícius, diz que isso só foi possível por ter sido confirmado o alfandegamento do aeroporto de Cruzeiro do Sul e a providência do Governo do Estado que está instalando câmaras frigoríficas – exigência da Anvisa e do Ministério da Agricultura.

Marcos conta ainda que a meta dos empresários cruzeirenses não é ter lucros exorbitantes em cima da importação dos produtos do país vizinho, mas, antes aumentar o número de consumidores, dando acesso às verduras e frutas a pessoas de menor poder aquisitivo. Nos centros de distribuição de frutas no Peru os preços são muito baixos, mas como se trata de importação é preciso embutir o custo/Peru (impostos) e depois o custo/Brasil. Mesmo com estes custos agregados, os preços dos produtos importados do Peru ficam bem mais em conta que os trazidos do Centro-Sul do Brasil via Rio Branco, devido à distância e o preço do frete aéreo que é bem maior.

Assim, tomando-se como exemplo o abacate, a fruta é entregue no aeroporto de Cruzeiro do Sul pelos exportadores peruanos a U$ 1,73. A este preço é agregado o custo Brasil: a comissão do importador de 0,17 %; PIS – 0,04%; Cofins – 0,19%; Valor de internação (que se paga pela entrada do produto) 2,13%, IRPJ – 0,03%; Contribuição Social – 0,02%, de modo que o preço de venda em dólares, com o custo Brasil chega a U$ 2,18. Para o consumidor final o produto sairá em torno de R$ 4,80, bem melhor que o preço hoje praticado de R$ 8,00.

Os demais produtos também terão redução significativa. A uva, que hoje custa R$ 15,00, terá seu preço reduzido para R$ 6,00; o alho, hoje vendido a R$ 16,00, terá preço de R$ 9,00. Os demais produtos como tomate, batata, beterraba, cenoura, maçã, repolho, cujo preço hoje é de R$ 7,50 a R$ 8,00, custarão entre R$ 4,00 e R$ 4,50. O melão custará R$ 5,00. (Agência Acre- com atualização da redação de A GAZETA)

 

Assuntos desta notícia


Join the Conversation