Aposentado é condenado a 14 anos pela morte da amante

O aposentado Alcione Feitosa Rodrigues foi considerado culpado pelo assassinato da dona-de-casa Antônia Menezes de Mendonça, morta a golpes de faca, no ano passado, no Ramal São Pedro, estrada de Porto Acre. Ele foi condenado a 14 anos e 6 meses de prisão em regime fechado, no julgamento encerrado na madrugada da última quinta-feira, 14, na Vara do Tribunal do Júri Popular de Rio Branco.

De acordo com os autos, vítima e acusado mantinham um relacionamento extraconjugal. Diante a ameaça do fim do caso, Alcione teria decidido matar Antônia. Fato negado pelo acusado em juízo. Segundo ele, a arma do crime pertencia a própria vítima e a morte não passou de um acidente, uma vez que a mulher teria caído sobre a arma durante uma discussão.

Convencida do assassinato, a família de Antônia contratou o advogado Sanderson Moura para atuar como assistente da acusação. A atuação de Moura foi essencial para demonstrar a culpabilidade de Alcione durante o julgamento. O advogado Jair de Medeiros atuou na defesa do acusado. A audiência foi acompanhada de ambas as partes.

A acusação conseguiu comprovar, através de uma série de depoimentos, que Alcione estava no local do crime no dia do ocorrido, minutos antes do corpo da vítima ser encontrado a margem da estrada. O veículo que ele ocupava, um Gol vermelho, também foi identificado. O número da placa foi inclusive anotado por uma das testemunhas.

Polícia identifica vítima de homicídio – Segundo informações de familiares da vítima, Antônia Menezes era casada, mãe de três crianças – uma delas deficiente física e mental. A pedido da família, ela teria decidido colocar um ponto final no caso extraconjugal, motivo pelo qual foi assassinada pelo acusado. Alcione ainda tentou pôr fim a própria vida, mas foi socorrido a tempo.

 

Assuntos desta notícia


Join the Conversation