37 anos do Cinema Acreano em cartaz

Tudo começou com a vontade de fazer. Foi assim que, há quase quatro décadas, um grupo de pessoas apaixonadas pelo cinema no Acre investiu dinheiro próprio para produzir filmes aqui no Estado. Com poucos recursos, mas muitas ideias, surgiram produções que hoje são conhecidas da maioria dos acreanos, como Rosinha, a Rainha do Sertão. Hoje, embora não exista um curso superior na área, há um apoio do poder público com financiamentos, incentivos, cursos e oficinas na área de produção audiovisual.

CINEMA_acreano

No ano passado, lembra o presidente da Associação de Cinema do Acre (Asacine), com um projeto da Lei Estadual de Incentivo à Cultura, foi possível promover oficinas e gravação de filmes em diversos municípios do Estado.

Em 2010, o cinema acreano chega completando 37 anos de muita história. E parte dela será apresentada nesta semana, com uma programação especial preparada pela direção da Asacine, através de um projeto aprovado na Lei Estadual de Incentivo à Cultura. A partir desta terça-feira até a próxima quinta, dia 18, serão exibidos filmes produzidos no Acre para alunos e comunidade em geral no Auditório da Uninorte, em Rio Branco. Após a exibição, haverá um debate com atores, diretores e produtores locais.

Na programação, filmes antigos, como O Grande Camaleão, produzido em Rio Branco no ano de 1989, até os mais recentes, como Horas Amargas, de 2008, feito em Cruzeiro do Sul. Na agenda, ainda tem um lançamento: “Transformando Lixo em Dinheiro”, um documentário de 25 minutos escrito e produzido por Gilberto Trottamondos que relata as alternativas de vida existentes a partir da Coleta Seletiva do Lixo e da sua transformação em algum produto de utilidade.

Confira a programação completa:

Dia 16 de março, terça-feira (Auditório da UNINORTE)

14h10 – O Grande Camaleão – Doc. 25 min. Rio Branco, 1989
Roteiro e Produção: Luiz Amaral e Marcos Chaá
Revela a filosofia de um mendigo que transitava nas ruas  de Rio  Branco entre as décadas de 60 e 70 do século passado, muito conhecido como Camaleão Ovado.
Debatedor – O Ator Ivan de Castela

16h10 – Sujeito Coletivo – Doc. 18 min. – Brasiléia-Acre
Produção e Direção: Marcos Fernando
Discute as questões relacionadas aos EMPATES, movimento de resistência de seringueiros e colonos, contra as grandes derrubadas e queimadas ocorridas nos anos 70 e 80 do século passado que resultaram no assassinato de seu líder Wilson Pinheiro.
Debatedor: O diretor e produtor Marcos Fernando

19h10 – Agonia na Cidade – Doc. 22 min. – Rio Branco 2004
Roteiro e Produção: Juliana Aparecida Alves
Destaca os graves problemas ambientais com foco no Rio Acre, o destino do lixo,  as queimadas no entorno da Cidade de Rio Branco,  os conseqüentes  transtornos  sociais, ecológicos e econômicos.
Debatedor: O Ambientalista Claudemir Mesquita

Dia 17 de março, quarta-feira (Auditório da UNINORTE)

14h 10 – O Viver Seringueiro – ficção, 25 min. Rio Branco – 2002
Produção e Direção: Maria Rita e Adalberto Queiroz
Retrata a vida no seringal, seus mitos, suas relações cotidianas, a importância do rádio e a organização em função dos impactos causados pelas mudanças. A Interpretação é realizada por crianças e adolescentes, estudantes da Escola Zuleide Pereira, situada à Rodovia  Ac  -40
Debatedor: O Produtor e Diretor Adalberto Queiroz

16h 10′ – O Tecido e a Borracha, 25 min. , Rio Branco – 2005
Produção e Direção: Sérgio Carvalho
Aborda o processo de produção da borracha natural, a partir da exploração do látex como produto que revolucionou o Acre ante a exploração capitalista do homem, destacando as lições de vida do homem na floresta.
Debatedor: O Produtor e Diretor Sérgio Carvalho

19h10′ – Que Droga é Essa, ficção, 74 min., Rio Branco- Acre 2004
Roteiro e Produção: Inêz de Andrade
Aspectos marcantes das Comunidades Periféricas da Cidade de Rio Branco com enfoque central nas manifestações da cultura; alienação que declina pessoas para a prostituição, adultério, violência contra a mulher, tráfico de drogas e homicídio.
Debatedora: a Atriz, Roteirista e Produtora Inêz de Andrade

Dia 18 de março, quinta-feira (Auditório  UNINORTE)

14h 10′ – Um Amor de Gameleira, ficção, 22 min. Rio Branco 2007
Roteiro e Produção: Fátima Cordeiro
Retrata aspectos do imaginário popular da Cidade de Rio Branco.  Um turista somente é quem pode ver a aparição de uma mulher que há muito havia morrido afogada no Rio Acre. Movido por uma  profunda e incontrolável  paixão e sonho que não pode realizar, ele também acaba consumido pelas águas calmas de verão do rio que, outrora, levara a bela imagem da sua aparição que residia nas proximidades da gameleira, no Segundo Distrito.
Debatedora: A Roteirista e Produtora Fátima Cordeiro

16h 10′ – Horas Amargas, ficção, 25 min. Cruzeiro do Sul – Acre, 2008
Denúncia e sugestão de ações de combate ao alto índice de prática de violência doméstica contra a mulher em Cruzeiro do Sul, norte leste e oeste do Globo Terrestre.
Debatedor: O Cineasta Adalberto Queiroz

19h 10′ – Diretas Já – 15 min. – Rio Branco 1985
Produção e Direção: Adalberto Queiroz
Registra aspectos da Luta do Povo Brasileiro contra o Regime Militar e exigindo de volta o seu Direito de Cidadania, culminando com o Manifesto da Caravana da Cidadania, composta por Tancredo Neves, Ulisses Guimarães, José Chichard, Jáder Barbalho, José Sarney, dentre outros, com grande concentração popular, em frente ao Palácio Rio Branco. Filme Rodado em película Super  8mm. e VHS.
Debatedor: O Produtor e Diretor Adalberto Queiroz

20h 10′ – Seis de Todas as Épocas, 19 min., Rio Branco, 2008
Produção e Direção: Jornalista Aldemira Margarido
Documentário seis de todas as épocas é um retrato positivo do Bairro Seis de Agosto. Ao resgatar a memória social de uma rua centenária, ressalta-se as características próprias da comunidade. Através de uma abordagem histórica demonstra-se o valor social e cultural que reúne em sua existência.
Debatedora: a Produtora e Diretora Aldemira Margarido

19h 10′ – Transformando Lixo em Dinheiro, doc. 25′ – Rio Branco 2010
Roteiro e Produção: Gilberto Trottamondos (Lançamento)
Relata as alternativas de vida existentes a partir da Coleta Seletiva do Lixo e da sua transformação em algum produto de utilidade.
Debatedor: O Produtor Gilberto Farias (Trottamondos) (Agência de Notícias do Acre)

Assuntos desta notícia


Join the Conversation