Agricultura entrega kits para colheita de material da aftosa

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), por meio de sua superintendência no Acre, repassou ontem ao Idaf (Instituto de Defesa Agropecuária e Florestal), quatro kits de colheita que facilitarão o trabalho do órgão estadual de investigar e analisar material biológico em caso de suspeita de febre aftosa no rebanho bovino acreano. Atualmente, o Estado é considerado zona livre da doença e está apto a vender para outros mercados sua produção de carne e derivados.

Com 93 itens, o kit possui todo o material clínico necessário que facilita a retirada de amostras do animal de forma rápida e segura. “O técnico ao sair a campo para realizar a colheita não precisará pensar em mais nada, pois tudo o que ele necessitar estará dentro da caixa”, diz Jorge Hessel, superintendente do Mapa no Acre. Os kits foram adquiridos pelo Ministério e repassados aos estados que estão na fronteira com a Bolívia e o Paraguai.

A Bolívia é classificada como zona de risco desconhecido pelos organismos internacionais quanto à contaminação do rebanho pela febre aftosa. Para evitar que o vírus atravesse a fronteira, o Acre mantém vigilância permanente na entrada de animais. Barreiras fixas e móveis ao longo da rodovia que liga aos países vizinhos, a BR-317, são mantidas pelo Idaf.

Qualquer especulação de contaminação no rebanho do Estado comprometeria não só as exportações locais, mas de todo o país. O Acre faz parte do seleto grupo de estados brasileiros aptos a enviar sua carne para o mercado externo. Exemplo desse efeito dominó aconteceu em 2005, quando focos da doença em Mato Grosso do Sul despencaram as vendas além-mar.

O Estado do Centro-Oeste está na fronteira com o Paraguai, outro país de risco para a saúde do rebanho brasileiro. Para reconquistar a classificação de zona livre, Mato Grosso do Sul teve que esperar cinco anos. Tempo que o agronegócio sul-mato-grossense deixou de lucrar e impulsionar seus investimentos. “Se o Acre tiver um caso de febre aftosa o Brasil todo pagará o preço”, ressalta Hessel.

De acordo com o superintendente, o Mapa mantém monitoramentos freqüentes nas fazendas acreanas. Exames são realizados nos animais. A pasta mantém convênios com o repasse de recursos ao Idaf para que o órgão estadual possa fortalecer suas ações de combate à doença. Com 2,6 milhões de cabeças, o rebanho do Acre é classificado por Hessel como de qualidade sanitária e nutritivo, o que tem possibilitado ao Estado a conquista cada vez maior de novos mercados. 

Assuntos desta notícia

Join the Conversation